A história do garoto superdotado que se viciou em games

"Admitir que sou viciado em jogos me deu uma liberdade tremenda"

Publicado em 26/4/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Meu nome é Bram. Tenho 19 anos e sou viciado em jogos. Mas nem sempre fui assim.” Parece o começo de mais um depoimento de alguém viciado em jogos em alguma roda de pessoas praticando terapia em grupo, mas não é bem isso. Para começar, é o depoimento de alguém viciado em jogos de videogame. A frase é dita direto de um centro de recuperação, sim, mas não qualquer centro. Trata-se do Yes We Can Youth Clinics, uma clínica de luxo holandesa que cuida adolescentes com problemas de vício e questões de ordem mental e comportamental.

É de lá que vem a história de Bram, um adolescente diagnosticado com QI superdotado ainda pequeno, e que viu seu dom se transformar num drama que lhe empurrou para uma série de problemas que lhe custaram muitas perdas até que seu caso pudesse ser usado como um exemplo de recuperação na Yes We Can. Confira abaixo seu depoimento na íntegra:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na primeira parte da minha infância, eu era apenas uma criança normal. Eu era muito mais inteligente do que as outras crianças, o que acabou me levando a ir para um departamento especial para crianças superdotadas no ensino médio, quando eu tinha 9 anos.

Eu estava simplesmente impressionado com tudo lá e tive dificuldade em me encaixar, então não demorei muito para começar a jogar para me encaixar com as outras crianças. Eu também sofri bullying nessa escola, o que me fez sentir muito mal comigo mesmo. Então, para escapar desses sentimentos horríveis, comecei a focar minha atenção nos jogos.

Cerca de um ano depois, meus pais perceberam que eu não estava feliz nesta escola e então me mudaram para uma escola convencional. Certamente era muito melhor lá, mas eu ainda não pertencia realmente a nenhum grupo, o que me fazia sentir muito sozinha. Eu também não tinha muitos amigos fora da escola.

Em casa, eu só jogava sempre que podia, mas na maioria das vezes, meus pais controlavam isso. Isso continuou por alguns anos e lentamente fui ficando mais isolado de todos ao meu redor. Eu também tive dificuldades em situações sociais, simplesmente porque não estava acostumada a elas. Eu também estava apaixonado por uma garota por algum tempo durante meu último ano do ensino médio e não sabia como lidar com isso também. Por causa disso, ainda não tive nenhum relacionamento.

Depois de terminar o ensino médio, comecei a me cursar Ciências da Computação na universidade. No entanto, meu vício era tão grave que meu comportamento afetou muito meus trabalhos escolares: procrastinando minhas lições de casa, ou simplesmente não fazendo nada, faltando às aulas, evitando contato etc. Acabei desistindo e passei basicamente todo o meu tempo jogando até o próximo ano letivo começou. Meus pais queriam que eu arranjasse um emprego, mas eu tinha muito medo do contato social que seria exigido de mim.

Comecei a cursar Economia no ano letivo seguinte, mas rapidamente desisti porque não gostava. Logo eu estava de volta à loucura de passar todo o meu tempo no meu laptop, escrevendo códigos para jogos. Pouco tempo depois, tive uma grande briga com meus pais sobre meu comportamento, e eles me deram duas opções: ou eu sairia de casa ou iria para o Yes We Can . Eu escolhi o último.

Na clínica, descobri que tenho uma doença viciante. Admitir isso me deu uma liberdade tremenda: significa que não preciso mais ceder ao meu vício. Aprendi a fazer contato real novamente, voltar a ter contato com meus sentimentos, ter interações sociais e fazer coisas divertidas com outros companheiros.

Quando voltei para casa, foi muito fácil voltar aos meus antigos padrões de comportamento. No entanto, isso pode ser muito perigoso, então preciso continuar trabalhando nisso e, felizmente, o programa de cuidados posteriores realmente me ajuda a lidar com isso. Desde que voltei, já conquistei muito: consegui um emprego, coisa que nunca sonhei que poderia ter antes da clínica. Tomei medidas para voltar à escola e também tirei minha carteira de motorista. Acho que o melhor para mim agora é o contato que tenho com outros companheiros. Nós nos entendemos e, mais do que tudo, sei que não estou mais sozinho!

O caso de Bram também ilustra a página da clínica com um vídeo, onde ele e a terapeuta Paula van den Bersselaar, uma dos 300 profissionais do lugar, comentam sobre seu processo de recuperação. Confira abaixo:

A Clínica

Instalada em uma luxuosa construção do séc XIII, os 5 hectares que compõe uma paisagem bucólica deste serviço são quase um universo paralelo no segmento clínico. Da entrevista para entrar, passando pela metodologia e até o seu preço são certamente ingredientes que tornam a experiência de 10 semanas algo ímpar quando o assunto é tratar um vício, seja ele em games, sexo, álcool ou qualquer outro problema de ordem química, comportamental ou mental. Confira uma reportagem completa sobre a Yes We Can clicando aqui.

Siga o Observatório de Games nas redes sociais

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio