Inteligência humana pode ser influenciada por fatores genéticos e sociais?

O Neurocientista Fabiano de Abreu comenta qual o real impacto que essa situação gera nos cidadãos

DNA brain art marx Walker
Publicidade

A inteligência pode ser definida como a capacidade de utilizar funções cognitivas de forma extensiva e bem aplicada para a resolução de problemas, racionalização de dilemas, retenção de informações e realização de escolhas. Porém, tais habilidades são desenvolvidas em diferentes áreas do cérebro e tem como principais determinantes a hereditariedade e a estrutura do córtex cerebral.

Esse processo de desenvolvimento pode ser observado pela lente da evolução humana, que permitiu o acréscimo de diferentes habilidades e mudanças cerebrais e físicas significativas entre gerações. Afinal de contas, as informações importantes passadas pelos homens aos seus descendentes estão contidas no DNA.

Me preocupo com a contemporaneidade porque, observando o nível educacional atual, é possível perceber uma diminuição de habilidades fundamentais e expressivas da inteligência e do raciocínio lógico. Existem diversas razões para essa redução, como a incapacidade dos neurônios de produzir sinapses, ou seja, comunicarem-se levando informações responsáveis pela memória, aprendizagem e funções motoras, por exemplo.

Continua depois da publicidade

O comportamento tem relação com os prejuízos na região frontal do cérebro e a sua comunicação com a região temporal. Por isso, a plasticidade cerebral é essencial para desenvolver as áreas do cérebro relacionadas à inteligência.

O meu estudo concluiu que o crescente déficit de inteligência da sociedade ocorre pela ascendente ansiedade presente no dia a dia. A ansiedade pede a liberação de dopamina em busca de um linear de equilíbrio. Mas, o organismo busca sempre mais sensações boas, assim, não há um equilíbrio e sim uma oscilação de sensações e isso causa diversos prejuízos ao cérebro.

Essa ansiedade pode ser causada por diversos agentes, inclusive, pelo excesso de uso de redes sociais e internet, sendo este um dos principais responsáveis pelo desenvolvimento de depressão, transtornos e síndromes. Tudo isso pode levar a comportamentos que culminarão na alteração da espessura de regiões do cérebro relacionadas à emoção e raciocínio. Para evitar esse ciclo de problemas, é necessário estimular a plasticidade cerebral.

Estudo publicado: https://ciencialatina.org/index.php/cienciala/article/view/1145/1536

Sobre o Dr. Fabiano de Abreu

O Prof. Dr. Fabiano de Abreu é o novo colunista do Observatório de Games, PostDoc e PhD em neurociência, mestre psicanalista, doutor e mestre em Ciências da Saúde nas áreas de Psicologia e Neurociências, com graduações em psicologia, neuropsicologia, história, antropologia e biologia. Especialização em Propriedade Elétricas dos Neurônios, Inteligência Artificial, Python, Hardware com registro IPI Intel e expert em montagem de computadores. Considerado um dos maiores QIs da atualidade e membro da Mensa, associação de pessoas de alto QI.

Publicidade
© 2022 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade