Faculdade de Games? Fazer ou não fazer?

Diante de casos de sucesso no mercado que nunca fizeram faculdade, há um dilema instalado

Facu Press Start
Publicidade

Nada mais justo do que um desenvolvedor de Games que além de professor em faculdades, também é dono de uma escola, liberar algumas opiniões sobre essa dúvida do século, certo? Pois, vamos por partes, pois é muita coisa pra falar e eu quero ser objetivo com vocês

O que as faculdades costumam prometer? 

Vamos ser claros e sinceros, o fato de você entrar em um prédio todo dia ou algumas vezes por semana não quer dizer que você está pronto ou estará empregado nos próximos dias. Faculdades de Games costumam passar pelo processo completo de desenvolvimento de um jogo, abordando até algumas áreas/cargos específicos. 

Tanto que a reclamação mais comum que vejo é de um aluno que já sabe no que quer trabalhar e tem que aturar aulas que não o interessam. Aliás, passamos por isso desde os tempos de escola, não é mesmo? Eu vi esse padrão de reclamação em 2008 quando entrei na Anhembi Morumbi e vejo agora que dou aula na FIAP (2019 – até o momento). 

Continua depois da publicidade

E o que o mercado PEDE?

Do outro lado do ringue, o mercado em muitos momentos não exige formação acadêmica e sim habilidade. O mercado prefere muito mais um profissional que entregue a demanda dentro do prazo com qualidade do que uma formação acadêmica.

E mesmo assim vemos grandes empresas pedindo no mínimo um bacharelado ou tecnólogo, mas posso contar um segredo? O objetivo deles é descobrir se você tem compromisso de começar e terminar algo. É algo interessante para eles, conseguem notar isso? 

Existe algo que a faculdade fornece que eu não saiba? 

Opa! NETWORK! Faculdade é uma das melhores oportunidades de Networking. Eu costumo dizer que o networking é difícil de ser previsto, pois ele pode vir de um professor, um colega que amanhã pode te indicar e de diversas outras formas.

O famoso ato de “trocar ideia” com o professor depois da aula vale ouro, meus amigos e amigas! Eu aprendi a precificar e me impor no mercado nesses atos. E digo mais! Não tivemos aula disso, aprendi com o meu grande amigo e ex-professor Maurício Mazza! 

Faculdades organizam trabalhos semestrais/anuais, que nada mais são alphas, betas, jogos completos ou apenas leveis navegáveis. É uma ótima oportunidade para vivenciar o trabalho em equipe, apanhar com linha de produção, notar que técnicas de gerenciamento de projeto são necessárias, conhecer prazos e diversos outros elementos importantes. Um trabalho desse nos amadurece (além de nos estressar rs) e gera possíveis oportunidades. A FIAP por exemplo, organiza trabalhos que chegam até mesmo em Startups onde grandes empresas irão te ver e avaliar a sua entrega. 


A live foi com os professores Rafael Lima (professor de programação de games), Thomas Leme (professor de Game Design) e o Game Designer, Celso Fujimoto.

Daniel Rivers é artista 3D na série Black Mirror, empresário e professor de Arte para Games. Fundador da Escola Rivers, professor na FIAP, EBAC, Laureatte e Unhide. Formado em Design de Games pela Anhembi Morumbi e MBA em Gestão e Estratégia de Negócios.

Publicidade
© 2022 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade