Publicidade
Eles são referência!

Ivan Sendin fala sobre o game Gaucho and the Grassland e o ADJogosRS no Petiscaria Gamer

“A gente tinha vontade de vender jogos sobre a cultura gaúcha”
Gostou? Compartilhe!
Gaucho and the Grassland
Gaucho and the Grassland (Foto: Reprodução)
Publicidade

O fundador da Epopeia Games, Ivan Sendin, falou no Petiscaria Gamer sobre a origem do jogo Gaucho and the Grassland, que no início, acabou chamando a atenção das empresas estrangeiras do mesmo nicho. Ele contou ainda sobre a associação ADJogosRS, em que ele é atualmente o diretor executivo.

“A gente ficou muito tempo desenvolvendo jogos pra clientes, e aí fomos aprendendo a fazer jogos com qualidade”, revelou. “Em 2017 acabamos lançando dois jogos, e aí começamos a entender como funcionava as coisas. A gente tinha vontade de vender jogos sobre a cultura gaúcha”, completou.

Assista a entrevista direto da Petiscaria Gamer

Ivan disse ainda que eles lançaram um teaser de uma ideia de jogo, que acabou bombando nos grandes portais de notícias do Brasil, tanto que algumas empresas internacionais acabaram vindo aqui pra conhecer eles e fechar negócio. “Aquilo nos impactou muito”, relembrou.

Continua depois da Publicidade

Depois disso, eles trabalharam bastante no projeto, conseguiram investimento e agora, o jogo está previsto pra ser lançado no final do ano. Em Gaucho and the Grassland, você controla um gaúcho que é frustrado com a vida na cidade, então ele resolve retornar à Fazenda que cresceu, que agora está dominada por figuras do folclore gaúcho.

Veja o trailer:

ADJogosRS

Sobre a associação, Ivan contou que nasceu de uma necessidade. “Em 2012, houve algumas empresas grandes aqui no Sul, que se juntaram pra fazer um game, na época que ia ter a Copa do Mundo aqui, em 2014, e eles apresentaram esse projeto em conjunto para alguns bancos, os bancos [falaram] ‘olha legal, mas o que vocês me garantem se o jogo não der certo? Como vocês vão reembolsar o investimento do banco?'”, revelou Ivan, durante o bate-papo.

“Não existe governo de ação que nos entenda, não adianta dialogar com governo, SEBRAE… a gente precisa se organizar, e eu era uma dessas empresas que se juntaram e fundaram a associação em 2013. O motivo era fomentar o mercado de games no Rio Grande do Sul, e pra isso a gente precisava entender a realidade das empresas, vários dados estatísticos”, disse ainda.

De 2013 até 2022, Ivan nos disse que muita coisa lá dentro da organização evoluiu, e eles foram aprendendo aos ‘trancos e barrancos como funciona essa questão de representatividade, até um ponto que hoje viramos a referência de organização’. Os números são gritantes: saíram de um faturamento de 3 milhões em 2013 para 78 milhões em 2021, gerando oportunidades e muitos empregos.

CONTEÚDO RELACIONADO