Bleeding Edge
Imagem: Divulgação

O jogo de “lutador PvP” em terceira pessoa da Ninja Theory, Bleeding Edge, atraiu muitas comparações, e também muito ceticismo. É o tipo de game que você pode baixar com o Xbox Game Pass e desfrutar por uma semana, sem dúvida, mas existe alguma chance real de permanecer a longo prazo?

E muitos jogadores já esperam o pior, dado o escopo do jogo, o tempo de lançamento e todos os outros projetos que a Ninja Theory tem lançado nos últimos tempos. Desta forma, confira abaixo nossa análise do jogo e a gameplay de Bleeding Edge.

Vale a pena?

Sim, Bleeding Edge é sem dúvida um jogo legal. A lista de heróis é surpreendentemente prática e versátil, o foco corpo a corpo é uma agradável mudança de ritmo para as pessoas que estão cansadas de Overwatch, e os mapas repletos de perigos podem levar a configurações brutais de armadilhas envolvendo trens de alta velocidade, paredes elétricas, e barragens de mísseis.

Gameplay: Projeto Electrosphere

Lugares realmente… estranhos!

Você se encontra em um lugar estranho em Bleeding Edge. Os jogadores irão gostar mais deste jogo excêntrico do que se espera, dada a premissa (e o crescente cansaço entre heróis e atiradores), mas ficará empolgado com o pacote em geral. Em algumas áreas, a equipe de desenvolvimento está claramente acima do seu peso. Em outros, parece que os criadores tiveram que reduzir sua visão. É muito simples.

Um exemplo para definir o panorama geral: o ideal é você passar por alguns tutoriais rápidos, mas cruciais, para entender os controles, assistir a um vídeo que configura vagamente o mundo cibernético punk de Bleeding Edge, talvez ler uma biografia de um personagem ou dois e praticar as habilidades de seu melhor amigo contra bots programáveis ​​de IA no dojo. Depois disso, você está olhando para matchmaking com dois modos em cinco mapas, desbloqueios menores de progressão envolvendo mods equipáveis ​​que alteram as estatísticas de habilidade de cada herói e roupas alternativas rudimentares.

Essa é a realidade da situação. Você precisa se apaixonar por pelo menos alguns personagens da lista eclética, a maioria, se não todas as arenas, e os dois modos de jogo, se quiser ficar com o Bleeding Edge. Existem 11 heróis no lançamento, com mais um – Mekko, o golfinho – que chegará em breve.

Combates

O combate de brigas de Bleeding Edge pode ser acertado ou acertado (literalmente), dependendo do confronto, e não pode se enfatizar demais o quão importantes são as sinergias não apenas para vencer, mas para sua diversão. Se sua equipe não trabalhar em grupo, a oposição vai acabar com você. Parece absurdamente unilateral.

Ambos os modos são baseados em objetivos. O controle objetivo envolve capturar pontos de controle que ativam e desativam em intervalos regulares, e alguns deles são colocados perto de armadilhas ambientais desonestas. O Power Collection é semelhante, até certo ponto, mas tem um fluxo diferente e uma vibração muito mais tensa. Esse modo trata de capturar, acumular e finalmente depositar nós em um horário estrito.

Se você não é o melhor atirador, mas gosta de diminuir as habilidades de malabarismo, elaborar o posicionamento da equipe e priorizar as ameaças, pode “destruir” em Bleeding Edge. As habilidades de combate são chamativas e caóticas o suficiente para que você possa entender exatamente quem está fazendo o que, quando e quem é afetado.

O movimento também desempenha um papel importante. Você pode esquivar-se usando uma barra de resistência que reabastece suas “cargas” ao longo do tempo, e esquivar-se é a principal maneira de escapar de ataques combinados. Você também pode “montar”, no estilo MOBA, e compactar os objetivos em uma prancha.

Mapas e considerações

Os mapas são razoáveis, ou seja, nem muito grandes nem muito pequenos, portanto, não há muito tempo de inatividade após o reaparecimento. O que realmente faltou foi um pouco mais profundidade. O matchmaking é desigual, e a falta de opções de matchmaking deixa a desejar. Além disso existe um péssimo senso de progressão e segmentação ilusória, mas a principal crítica, é uma falta de longevidade. A maioria dos jogadores terá o preenchimento das brigas em arena em cinco horas ou menos.

Há um conceito decente de jogo de ação multiplayer mostrado em BE. Alguns desses personagens merecem viver em projetos futuros e ao mesmo tempo, parece que existem tantas dinâmicas de equipe para experimentar. É tudo muito fugaz. Depois de atingir esse ponto sem retorno, não há motivação real para continuar. E infelizmente este é um ponto negativo para o game. Pois não é algo que prenderá os jogadores por muito tempo ou o fará retornar para uma nova experimentação.

De qualquer forma, caso você esteja interessado em Bleeding Edge, jogue-o agora enquanto as partidas ainda são animadas, pois o game te dará uma dose de diversão!