Streets of Fire
Capa do filme Ruas de Fogo

As Guerras dos Clones de videogame vêm ocorrendo desde que a indústria existe. Assim que Pong engoliu o espaço em bares por toda a América, a Atari rebateu uma série de simuladores de tênis de televisão suspeitosamente similares. Eventualmente, o mercado ficou tão saturado com os jogos domésticos de Pong que o estilo caiu completamente, resultando no crash menos conhecido de 1977.

Todo fabricante queria um pedaço da torta de Pong, mas os consumidores não estavam dispostos a pagar repetidamente pelo mesmo jogo. Não foi até a chegada de Space Invaders – a primeira ideia verdadeiramente nova em seis anos – que a indústria de videogames voltou à vida.

No geral, então, e com desculpas às ovelhas Dolly, os clones são uma coisa ruim – mas nem sempre. Você sabia, por exemplo, que o próprio Pong era um clone? E por clone, entendemos o roubo total. Quem sabe onde a indústria de jogos estaria sem ela? Talvez o Magnavox tivesse sido o Atari da época, antes de Ralph Baer deixar o sucesso subir à cabeça, afundar a empresa e abrir uma cadeia de restaurantes temáticos (literalmente) brega.

Mesmo antes dos gravadores VHS, Pong quebrou a regra de que as cópias são inferiores. Sua forma bem-sucedida de elogio foi imitada repetidamente ao longo da história dos jogos – e ocasionalmente duplicada. Confira abaixo 4 destes jogos!

4. Angry Birds (Crush The Castle)

O jogo Angry Birds, o maior produto de exportação da Finlândia desde Jean Sibelius, Nokia e a sauna, tinha pelo menos um desenvolvedor de Flash em funcionamento, tão suspeito quanto o de um de seus jogos de navegador.

Em Crush the Castle, o jogador lança projéteis de uma balista à esquerda da tela em uma torre em ruínas à direita, com o objetivo de esmagar os cavaleiros estacionados lá dentro. Se isso parece muito com o Angry Birds, embora com um toque medieval, é porque é o mesmo. Lançado apenas oito meses depois, o sucesso móvel da Rovio recriava a jogabilidade de Crush the Castle quase um por um – até e incluindo as variantes do projétil – apenas trocando bolas incendiárias por galinhas furiosas e soldados por suínos enganadores de ovos.

É tão descarado quanto possível, mas os personagens infinitamente mais atraentes e o formato móvel acessível do Angry Birds o tornaram superior – e incrivelmente bem-sucedido. Sem dúvida, Armour tinha algumas palavras raivosas sobre Angry Birds.

3. Streets Of Rage (Final Fight)

Quem não se lembra, pelo menos os maiores de 40, do filme da década de 1980 Ruas de Fogo? Este clássico, com o subtítulo Uma Fábula do Rock and Roll, é um cult. Mesmo não tendo feito sucesso em solo americano, foi a inspiração para uma geração de jogos de briga de rua. Principalmente Final Fight. Desde o nome do personagem principal as gangues, poderia se dizer, que o jogo da Capcom é um clone do filme.

Hoje Final Fight não é tão lembrado, mas a chegada do quarto game da franquia Streets of Rage acabou acendendo as memórias de muitos fãs. O mais interessante é que o Streets of Rage original da SEGA era em si um imitador de Final Fight.

Depois que o hardware da SEGA deu um salto na Nintendo, o Mega Drive tecnicamente superior rapidamente ganhou uma reputação como o lar de conversões quase perfeito dos arcades. Tudo isso mudou quando, logo após o lançamento do Super Famicom em 1990, a Nintendo anunciou que havia garantido os direitos de trazer o Final Fight da Capcom para o seu sistema.

Os proprietários do Mega Drive ficaram impressionados – mas não por muito tempo. Em vez de enviar, a SEGA entrou em uma briga de rua com a Nintendo, desenvolvendo sua própria versão do jogo. Lançado em 1991, Bare Knuckle – conhecido como Streets of Rage no ocidente – foi basicamente um Final Fight com um disfarce muito frágil; até o protagonista Axel usava a mesma roupa que o rival Cody.

Mas, além das semelhanças imediatas, era muito mais do que uma cópia. Streets of Rage não podia se gabar dos sprites de grandes dimensões do beat-em up da Capcom, mas compensou-os com uma estética neo-Tóquio super bacana, sustentada pela lendária trilha sonora de house trance de Yuzo Koshiro. Os ataques foram mais variados, graças ao ataque um pouco ridículo do cofre, embora isso não tenha sido tão ridículo quanto os fantásticos movimentos especiais de quebrar a tela que veriam uma chuva de fogo envolver seus inimigos.

Quando o Final Fight finalmente foi transportado para o MegaCD da SEGA, ninguém se importava; a sequência de seu clone, Streets of Rage 2, já havia vencido o jogo. Heck, fora da cidade.

2. Minecraft (Infiniminer)

O estrondoso, quase inexplicável sucesso do Minecraft na última década gerou dezenas de derivativos inferiores, cada um procurando aproveitar a veia de popularidade do clássico que altera o setor de Notch. É um tanto irônico, então, particularmente para um jogo cuja premissa básica é desenterrar a imaginação do jogador, que Minecraft é um conceito totalmente original.

Em 2009, um jogo sandbox de código aberto lançado de forma incremental, no qual o jogador reuniu recursos de um mundo processualmente programado e com estilo voxel, começou a ganhar uma espécie de seguidores na Internet. Não, não o Minecraft, mas o Infiniminer de Zach Barth. Entre os fãs do jogo, estava o codificador sueco Markus Persson, que começou a criar sua própria versão, logo após o designer Barth interromper o projeto.

O resultado dessa simulação foi o Minecraft. Embora você tenha que sentir um pouco de pena de Barth, relegado para sempre a uma nota de rodapé intrigante na história dos videogames, é difícil argumentar que a continuação de Notch não é muito superior à sua inspiração. O Minecraft completou efetivamente a fundação abandonada que a Infiniminer havia construído e, ao longo de dez anos, foi refinada em material de qualidade muito mais alta.

1. Guitar Hero (GuitarFreaks)

O jogo Guitar Hero de 2005 transformou o quarto de Mark Knopflers em nossos quartos, permitindo que até os menos talentosos e sem sintonia se tornassem um deus do rock and roll. Sua jogabilidade de ação rítmica enganosamente simples e o novo controlador em forma de guitarra convidaram praticamente todo mundo a tocar, tornando o criador de melodias da Harmonix um sucesso instantâneo. Uma série de sequências, expandindo-se em todos os tipos de instrumentos e conjuntos, logo se seguiu.

Esta era uma notícia antiga no Japão, onde os jogadores de fliperama já tocavam violões falsos há seis anos. O título de 1999 da Konami, GuitarFreaks, não é assustadoramente semelhante ao Guitar Hero, apresentando um braço de rolagem e um machado de plástico, mas foi a inspiração direta para o sucesso da Harmonix. Os ecos foram tais que as duas empresas acabaram em um tribunal em 2010, apenas para o caso ser julgado improcedente.