Assassins Creed
Imagem: Ilustração

Jogos recentes de Assassin’s Creed originalmente teriam papéis muito maiores para suas protagonistas, de acordo com um novo relatório da Bloomberg. O site, que aponta relatos recentes de assédio, abuso e toxicidade na Ubisoft, descreve como a cultura de misoginia e “machismo” de alguns chefes tiveram impacto nos jogos produzidos pela empresa.

O game Assassin’s Creed Syndicate, por exemplo, apresentaria originalmente uma divisão mais uniforme entre seus dois personagens jogáveis, os gêmeos Jacob e Evie Frye. Após a intromissão de executivos, incluindo Serge Hascoët, demitido recentemente, a balança se tornou muito mais distorcida a favor de Jacob. No jogo final, é uma divisão de 40/60 entre Evie e Jacob.

Esse padrão emergiu novamente em Assassin’s Creed Origins. A história original viu o protagonista Bayek morto no início da trama para ser substituído por sua esposa Aya. No final, Aya tem um papel extremamente reduzido, apenas atuando em alguns segmentos de combate de navios, enquanto Bayek se tornou o principal líder.

Um ano depois, em Assassin’s Creed Odyssey originalmente apresentaria apenas Kassandra como sua personagem principal. Mas Hascoët, e pessoas “sem nome no departamento de marketing da Ubisoft“, conforme descrito no relatório, alegaram que os jogos com personagens femininos não seriam vendidos e, portanto, o irmão de Kassandra, Alexios, foi incluído como líder alternativo.

Embora Kassandra ainda seja a protagonista canônica de Odyssey, sempre pareceu que a decisão de ter uma liderança intercambiável tornava mais difícil para os escritores desenvolver Kassandra ou Alexios como seus próprios personagens. Saber que foi uma decisão imposta à equipe por executivos, agora acusados ​​de assédio e abuso, deixa um gosto ainda pior na boca dos fãs.

Serge Hascoët foi o ‘Chief Creation Officer‘ da Ubisoft e foi descrito como a “força criativa” da empresa, e um de seus funcionários mais poderosos por trás do CEO, Yves Guillemot. Ele era responsável pelos jogos e dava o sinal verde nas produções, além de poder alterar a direção de qualquer desenvolvimento, como entendesse.

Antes de se demitir da Ubisoft no início deste mês, ele foi acusado pelo jornal francês Libération, de toxicidade, misoginia, homofobia, “comportamento libidinoso” (via Thomas Bidaux) e até mesmo drogar pessoas com bolos cheios de maconha sem seu conhecimento.

Sua demissão vem como parte de uma operação de limpeza na Ubisoft. As alegações atingiram todos os aspectos desde o editor, com executivos, desenvolvedores e RH sendo todos acusados ​​de promover ambientes de trabalho horríveis, repletos de abuso.

Em 2 de julho, Guillemot descreveu a resposta da empresa, incluindo terceiros que vêm para reformar as políticas e investigações de RH sobre todas as alegações feitas. No entanto, Guillemot foi criticado por ser o CEO da empresa enquanto tudo isso acontecia, com pessoas argumentando que ele conhecia e tolerava o ambiente até que se tornasse uma dor de cabeça de relações públicas muito grande para ele ignorar.

Fazem anos desde que houve um grande lançamento da Ubisoft com uma única protagonista feminina. Enquanto Assassin’s Creed Liberation estrelou Aveline, esse foi um spinoff portátil e não recebeu o mesmo destaque de seu contemporâneo, Assassin’s Creed 3.

Se você ignorar títulos menores e independentes como Child of Light, o último grande jogo da Ubisoft a estrelar uma mulher como o único personagem jogável, foi Beyond Good & Evil, de 2004. A resposta para esse problema não é apenas trazer uma mulher como protagonista de vez em quando, mas sim garantir que o ambiente nos estúdios seja receptivo a diversas vozes e histórias, livres dos preconceitos de seus executivos, algo que faltava severamente sob a administração da Hascoët.

Ter criadores de personagens onde você pode escolher o sexo do seu protagonista, entre outros que estarão na trama, não é um problema, nem ter homens liderando seus jogos. O problema surge quando histórias que poderiam ter sido contadas da perspectiva de uma mulher são diluídas empurrando um homem para lá por temores infundados que o jogo não venderá sem um.

Imagine um Origins onde Aya teve que vingar o filho e o marido, ou uma Odisséia que realmente explorou a dinâmica de gênero da Grécia Antiga. Mais importante, imagine se as pessoas que criaram esses jogos pudessem fazê-lo em um ambiente seguro e livre do suposto assédio de executivos e gerentes, e da “iluminação” do departamento de RH da editora.

Leia também: