Orlando Bloom não gostou do que viu no game dos Piratas do Caribe

Publicado em 8/10/2020
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator Orlando Bloom que atualmente esta na série Carnival Row da Amazon Prime, durante muito tempo foi conhecido como Legolas de Senhor dos Anéis ou o galã dos mares Will Turner de Piratas do Caribe. Mas quando se fala sobre sua versão para os games, bem, isto é algo que ficou realmente muito estranho.

Em 2006, Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest foi lançado para Nintendo DS, Game Boy Advance e PSP, aproveitando o sucesso que os filmes estavam tendo junto ao público. Pensando nisso, os desenvolvedores do game transportaram os jogadores para Port Royal e Tortuga, para lutarem contra vilões munidos de floretes, pistolas e tochas!

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O que poderia dar errado? O game até teve uma recepção mais ou menos na época do seu lançamento, mas como deu para perceber, muitos devem ter lido o título pensando: saiu um jogo dos Piratas? Pois é, ele foi totalmente esquecido.

Só que o designer de jogos Cheryl Platz, que é mais conhecida online como Funny Godmother, compartilhando anedotas e memórias de seu tempo trabalhando no lançamento de ação-aventura com seus seguidores no TikTok, relembrou a época em que todo o projeto foi atrasado por ninguém menos que os músculos peitorais de Orlando Bloom. Ou, neste caso, uma nítida falta deles.

Quero peitos!

De acordo com ela, Orlando Bloom estava extremamente insatisfeito com a ausência de definição de seu modelo de personagem exibido no corte final de Dead Man’s Chest, especificamente em torno da área do peito. Cheryl tentou retificar isso chamando seu artista de textura para aplicar sombreamento ao redor dos peitorais em Will Turner.

Infelizmente, isso ainda não apaziguou o ator. Mesmo com as sombras adicionais, Orlando Bloom ainda sentia que era necessária mais definição. Brincando com seus seguidores, Cheryl deu a entender que a única opção seria remover os inimigos NPC e subir muitos polígonos, a fim de obter o desejado com o que a estrela de Hollywood queria.

Desnecessário dizer que não foi isso o que aconteceu no final. E com razão, dado que o Nintendo DS tem uma taxa máxima de polígonos de 2.000 por quadro. Não é surpreendente que os pedidos do ator não fossem uma prioridade imediata para os desenvolvedores de jogos, pois eles realmente tiveram que salvar algo para os planos de fundo, ambientes e outros objetos que completaram a experiência de jogo.

Outros problemas

Infelizmente para Cheryl Platz, no caminho para lançar Piratas do Caribe para o público, ficou claro que a desenvolvedora principal e sua equipe só tiveram permissão para usar 30 segundos da trilha sonora icônica do filme em todo o jogo. Aparentemente, os advogados envolvidos não entendiam como funciona o licenciamento de músicas para videogames.

Felizmente para todos os interessados, Johnny Depp estava mais do que feliz com sua versão de Jack Sparrow em Pirates of the Caribbean: Dead Man’s Chest. Como cara do jogo, isso certamente terá sido um alívio para a Divertida Madrinha e sua equipe.

Esperançosamente, nos anos que se passaram, Orlando Bloom já perdoou Platz e seus colegas desenvolvedores do Nintendo DS por causa de sua decepção peitoral. Pelo menos, foi o que ele disse.

Fonte: Screenrant/Victoria Kennedy

Leia também:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio