Space Invaders
Imagem: Divulgação

Depois que o primeiro jogo foi criado, o mundo nunca mais foi o mesmo. Inicialmente descartados como uma moda passageira, os videogames passaram a ser uma pedra de toque cultural e uma nova forma de entretenimento.

Eram facilmente acessíveis como filmes e televisão, mas se distinguiam por sua característica principal: interatividade. Um dos jogos que abriu as portas para outros, foi Space Invaders. Para muitas pessoas, Space Invaders era um novo gênero de videogame e um fenômeno mundial quando foi lançado em 1978. Sua história é cheia de absurdos, na maioria das vezes, no melhor sentido da palavra.

A invasão começa

Space Invaders é amplamente considerado o primeiro jogo comercial de “shoot’em up” (subgênero de jogos eletrônicos de tiro), embora algumas pessoas contestem isso devido à falta de consenso sobre a definição de “shoot’em up”.

O game usou uma mecânica de jogo simples e intuitiva. O jogador pilota uma nave espacial e tem a tarefa de abater hordas de alienígenas. Os inimigos se movem da esquerda para a direita em fileiras móveis que descem gradualmente em direção à parte inferior da tela. A nave do jogador flutua atrás das barreiras colocadas estrategicamente, protegendo parcialmente o jogador do ataque.

Quanto mais alienígenas são abatidos, mais rápido os restantes se movem. A velocidade cada vez maior e os efeitos sonoros correspondentes colocam o jogador sob pressão para atirar com rapidez e precisão. Depois que uma onda completa de alienígenas é abatida, uma nova onda aparece, movendo-se um pouco mais rápido e disparando mais balas do que antes. O objetivo de fácil compreensão, juntamente com ótimos gráficos e som (para a época) são as principais razões para o sucesso do jogo.

O chefe alienígena

O nome por trás deste clássico que virou febre nos arcades foi Tomohiro Nishikado. Ele criou Space Invaders baseado no grande sucesso da ficção Star Wars. Sua criação foi creditada por muitos como a transformação dos videogames de um produto de nicho em um apelo ao consumidor de massa.

Nishikado foi contratado inicialmente para ajudar a corporação japonesa Taito com sua linha onipresente de pachinko e máquinas de venda automática. Em 1972, ele projetou o primeiro jogo eletrônico da Taito (um clone de Pong), impressionando os executivos da empresa. Nishikado iria desenvolver outros jogos antes de começar a trabalhar no Space Invaders em 1977.

Seu jogo foi parcialmente inspirado pela mecânica de jogos de videogames populares para quebrar tijolos, como Break-Out, mas em vez de fazer o jogador remover os tijolos desviando uma bola, Nishikado imaginou atirar um projétil em ondas de tijolos que se aproximavam. Alienígenas substituiriam os tijolos mais tarde no desenvolvimento.

Olhando para trás em Space Invaders alguns anos depois, Nishikado disse:

“O mais difícil foi o desenvolvimento de um microcomputador… Hoje em dia, temos computadores pessoais para confiar, mas… naquela época… eu tinha que criar tudo sozinho. Eu criei um dispositivo de desenvolvimento, escrevi uma parte do jogo que roda nele e, em seguida, criei mais dispositivos ao longo do caminho.”

Para projetar os alienígenas (ou monstros), Nishikado se inspirou na vida marinha como lulas, caranguejos e polvos.

Sou o próximo!

Embora simples na execução, Space Invaders era divertido e viciante. Logo após o lançamento, longas filas de pessoas ansiosas se formaram em locais de fliperama em todo o mundo esperando para jogá-lo. Ali nascia uma das mais famosas frases que quem for das antigas sabe muito bem: sou o próximo!

As filas eram tantas para jogar que as pessoas tinham que gritar quem era o próximo para não perder seu lugar. Portanto, Space Invaders não é apenas um game antigo que serviu de inspiração para outros, mas também parte da subcultura dos frequentadores de arcades, que além de tudo, também queriam bater o recorde do oponente.

Se o Papa é Pop, Space Invaders é ainda mais

Lançado inicialmente no Japão durante o verão de 1978, Space Invaders gozou de popularidade nunca antes vista, com uma demanda tão alta que novos fliperamas abriram apenas com gabinetes Space Invaders. Houve até rumores de que a obsessão da nação com Space Invaders levou a uma escassez de moedas de 100 ienes. Essa era uma noção improvável, que já foi desmentida, mas mesmo assim servia para um bom marketing. Tanto que muitos ainda afirmam isso em artigos e até mesmo documentários!

Muitos comparam o fenômeno cultural de Space Invaders ao do grupo inglês The Beatles na década de 1960: avassalador, imediato e abrangente. E isto não era um exagero!

A popularidade do jogo logo se espalhou globalmente. A mídia noticiou esse fenômeno, muitas vezes chamando-o de “mania” e, além de notar o sucesso financeiro do jogo, muitas vezes atribuía a ele a corrupção da atual geração de jovens. Até a comunidade médica se envolveu, identificando questões de problemas de saúde como “o pulso dos invasores do espaço” e “cotovelo”. Problemas crônicos que jogadores de Tênis possuem ou usuários de computadores.

O Império Contra Ataca

A grande mania de Space Invaders invadiu o solo Britânico, chamando a atenção do Parlamento. Um projeto de lei de membro privado intitulado “controle do Space Invaders (e outros jogos eletrônicos)” foi apresentado pelo parlamentar trabalhista George Foulkes. Ele queria dar aos conselhos locais o poder de regulamentar Space Invaders e outros jogos semelhantes por meio de um esquema de licenciamento, porque isso causava “desvios”.

Por mais desviante que o Space Invaders fosse, outros parlamentares zombavam da ideia de regulamentar um jogo eletrônico da mesma forma que um conselho regulamentaria o jogo ou o álcool. Felizmente, o Parlamento rejeitou o projeto de lei e ele nunca aconteceu.

Nós vamos Invadir o seu Espaço

Em outro lugar da cultura popular, Space Invaders inspirou uma série de canções durante 1979-1980, como o Disco Space Invaders de Funny Stuff, e o hit Space Invader do grupo The Pretenders. Houve também um hit do Australian Space Invaders do Player One, que mais tarde forneceu a linha de baixo para On and On de Jesse Saunders, uma das primeiras faixas de house music do Chicago. O jogo inspirou mais músicas do que qualquer outro videogame até agora, com a própria Taito lançando um CD dedicado a ele em 2008.

Até as empresas de alimentos queriam que seus produtos fossem associados ao jogo. A Heinz produziu Space Invaders de macarrão, molho e ketchup. É claro que, ao lado da comida e da música, Space Invaders também gerou uma seleção de camisetas, pôsteres, brinquedos, livros e até mesmo um Anual Space Invaders.

4 décadas de Space Invaders

É difícil superestimar o impacto que Space Invaders teve na indústria de videogames. Introduzido após o primeiro “crash do videogame” causado por um grande número de clones de Pong de baixa qualidade, Space Invaders deu uma nova vida ao cenário dos arcades, ajudou a ressuscitar os consoles e entrou para a história como o primeiro “blockbuster” de videogame.

Leia também: