Naughty Dog Streamer blind Steven Saylor
O streamer Steven Saylor se emociona ao ver quantas opções de acessibilidade estão disponíveis em The Last of Us 2. Imagem: reprodução.

Após um longo período de desenvolvimento, o game The Last of us 2, do estúdio Naughty Dog, chega ao mercado como um fortíssimo candidato a jogo do ano. E dentre os motivos que o colocam para tanto, está a promessa de que esse será o jogo com mais opções de acessibilidade já criado até aqui.

E parte disso pôde ser comprovado pelo streamer canadense Steven Saylor. Steven é consultor de acessibilidade em videogames e atua como editor de mídia do Can I Play That, um site dedicado para compartilhar experiências de gamers com algum tipo de deficiência.

O streamer recebeu acesso antecipado ao jogo para poder dar seus apontamentos críticos, e o resultado foi o mais emocionante possível. Confira:

Em sua postagem no Twitter, Steven falou mais sobre a experiência:
Eu relutei em postar isso. Gravei minha reação quando vi pela primeira vez as configurações de acessibilidade em The Last of Us Part 2, pensando que seria um vídeo divertido para a posteridade. Eu não esperava isso. É por isso que fazemos o que fazemos. Obrigado, Naughty Dog.

Estúdio recebe o feedback

Desenvolvedores do Naughty Dog viram o tweet de Saylor, e se manifestaram sobre a gratificante reação do canadense. Robert Krekel, líder de áudio no estúdio, postou um tópico sobre como o design de áudio permite que as pessoas joguem o jogo inteiro, mesmo que sejam completamente cegas.

Você pode jogar o game praticamente inteiro apenas através do áudio. Um de nossos talentosíssimos designers, Justin Mullens, passou muito tempo criando um conjunto completo de ferramentas de som para ajudar jogadores cegos e com baixa visão. É impressionante o quão bem isso funciona.

Implementamos um sistema completo de conversão de texto em fala e garantimos que ele fosse compatível com todas as palavras e frases necessárias. É extremamente abrangente e não é algo que eu vi um único jogo fazer, como geralmente é feito no nível da plataforma” diz Krekel, ciente de que ainda mais pode ser feito por essa parcela de jogadores.

Demos um grande passo em The Last of Us Part 2 com acessibilidade, mas não estamos satisfeitos. Continuaremos a evoluir e melhorar esses sistemas nos próximos projetos. O objetivo é que qualquer pessoa consiga terminar nossos jogos. Jogos são para todos.

Além dos apontamentos do líder de áudio do estúdio, um outro colaborador da Naughty Dog respondeu sobre a experiência emocionada de Steven. Ethan Tal, roteirista de interface do usuário da Naughty Dog, foi às lágrimas diante do relato do streamer cego.

To chorando, Steve. Muito obrigado por compartilhar este vídeo. Foi ótimo conhecê-lo no estúdio, e estou muito agradecido e orgulhoso por fazer parte dessa equipe. Todos dedicamos inúmeras horas a esse campo por aqui. Sem barreiras. Sem atalhos. Para que todos possam jogar.” escreveu Ethan, que reforça em sua biografia que é um “defensor da diversidade/acessibilidade“.

Como funcionam esses recursos

De acordo com a Sony, The Last of Us Part II possui mais de 60 configurações de acessibilidade, com opções expandidas com foco em audição e habilidade motora, além de novidades que beneficiam jogadores cegos ou com baixa visão.  Confira uma matéria completa sobre como tudo isso funciona para cegos, surdos, pessoas com dificuldade motora e mais:

No que depender de acessibilidade, nem o último de nós ficará sem jogar o game que chega ao mercado no próximo dia 19 de junho.