Diretor de Resident Evil: Bem vindo a Raccoon City fala das diferenças do novo filme e os anteriores

De acordo com diretor e roteirista de Resident Evil, é necessário ter respeito pelo jogo.

Publicado em 04/11/2021 15:19
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A franquia Resident Evil ainda não se deu bem nos cinemas, com suas seis adaptações estreladas por Milla Jovovich e dirigidas por Paul W. S. Anderson. O primeiro longa de 2002, O Hóspede Maldito, até foi interessante por trazer alguns elementos da série e principalmente o terror. Mas após isso, o terror ficou sendo para a maneira como Resident Evil foi tratada e tivemos um longa pior do que o outro, sendo que o último, muitos nem ao menos conseguiram terminar de assistir.

E agora teremos novamente mais uma tentativa de trazer a vida os personagens da série através do novo longa, Resident Evil: Bem vindo a Raccoon City, título nacional, que deverá abordar os dois primeiros jogos da série. Lógico que com todo o alvoroço de aniversário de Resident Evil, e o fracasso que foram as adaptações, os fãs querem saber por que devem dar um voto de confiança para este filme.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bem, segundo Johannes Roberts, diretor e roteirista de Resident Evil: Bem vindo a Raccoon City, em entrevista ao podcast ComicBook Nation, é que uma nova abordagem é totalmente necessária para os tempos atuais. Lembrando que o primeiro longa foi lançado em 2002 e o último, Resident Evil: O Capítulo Final, chegou nas telas brasileiras em 2016.

“A coisa é que os tempos mudaram, eu acho. Quando a primeira franquia de filme foi lançada, adaptar um jogo de computador era muito visto como ‘as pessoas sabem o nome, então pegue o IP, pegue o nome… e então faça o que você quiser”, explicou Roberts. “Basta pegar o nome e fazer qualquer coisa, agregar algum valor. Nos últimos 20 anos, isso realmente mudou. Tornou-se um verdadeiro respeito pelo jogo. Acho que os jogos acabaram de se desenvolver e se tornaram muito sofisticados também. Foi essa ideia que se tornou fundamental na maneira como lançamos [o filme] e na maneira como avançamos, como, ‘Olha, vamos levar isso a sério.’”

A respeito da nova adaptação, ele explica que: “Isso é como um romance. Se você está adaptando um romance, leva o material de origem muito, muito a sério. Foi o mesmo quando voltamos ao jogo e foi tipo, olha, vamos voltar, vamos contar o que nos empolgava quando éramos crianças, quando eu jogava isso como estudante. Vamos fazer um terror superassustador. Para ser o cara do terror chegando e tipo, vamos realmente fazer algo que seja assustador, sombrio, assustador, se encaixa no tom. Foi apenas uma coisa realmente emocionante que simplesmente não tinha sido feita antes com a franquia anterior. Foi muito divertido.”

Isso é realmente um fato. Os longas anteriores ficaram muito longe de um survival horror, focando muito mais na ação do que no terror o que levou a um desastre sem precedentes onde Resident Evil não era nem mesmo um filme de zumbis ou de ação, perdendo-se totalmente como qualquer coisa. Felizmente, pelo que tudo indica e pelas palavras do diretor/roteirista, os fãs podem aguardar por uma boa adaptação.

O filme estreia dia 2 de dezembro no Brasil e tem em seu elenco Kaya Scodelario, Hannah John-Kamen, Robbie Amell, Tom Hopper, entre outros.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Produtos recomendados

HD EXTERNO

Comprar

CONTROLES

Comprar

CONSOLES

Comprar

ACESSÓRIOS

Comprar

CADEIRA GAMER

Comprar

HEADSET

Comprar