Não sabe o Alok e o game Free Fire tem a ver? A gente explica

Publicado em 2/4/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A live onde o DJ Alok transmitiu o evento “Alok em casa” para canais de tv e também para dentro do jogo Free Fire teve uma combinação de fatores que fizeram do show um sucesso. Fogos de artifício, iluminação surpreendente e um som de mega evento foram apenas alguns dos temperos que fizeram o assunto render até memes.

Contudo, a combinação ‘Alok + Games’ chegou de maneira estranha para alguns gamers que não sabem de fato qual é a ligação do DJ com o mundo dos jogos. Em contrapartida, existe ainda a mão inversa, onde os gamers até conhecem o jogo, mas não sabem quase nada de Alok. Então, para não deixar ninguém boiando, o Observatório de Games reuniu uma série de informações para apresentar curiosidades sobre os dois elementos em questão. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Quem é?

Embora o nome Alok Achkar Petrillo não reúna praticamente nada de comum ao que temos em RGs por aqui, Alok é brasileiro. Nascido em Goiânia em 26 de agosto de 1991, o jovem de 27 anos passou parte de sua infância em Brasília.

Então não é nome artístico?

Conforme visto acima, não. A ideia do nome surgiu depois de uma viagem dos pais à Índia, onde eles conhecerem um guru e optaram por chamarem o filho de Alok. O nome ‘Alok’ provém da língua sânscrita pertencente à Índia e significa “luz”. Agora, talvez aquela live faz muito mais sentido pra você.

E o cara é DJ ou modinha?

Não só é DJ, como os pais são DJs pioneiros da cena de música eletrônica no Brasil. A velha guarda dessa cena musical deve algumas coisas a Ekanta (conhecida como Ekanta) Jake Peres e Juarez Achkar Petrillo (conhecido como Swarup).

Ekanta (conhecida como Ekanta) Jake Peres e Juarez Achkar Petrillo (conhecido como Swarup). Imagem: Reprodução.

Com pai e mãe DJs, não demorou para que ele e o irmão gêmeo (não idêntico) Bhaskar (outra inspiração de Osho) se mostrassem filhos de peixe. Os irmãos se jogaram na música já com 12 anos, e com um trabalho autoral chegaram a fazer shows em 19 países.

Os gêmeos Bhaskar (esq.) e Alok aos 12 anos já se aventurando nas pick ups. Imagem: Reprodução.

Contudo, um tempo depois a dupla se desfez. Aos 19, Alok trancou o curso de relações internacionais e fez um curso de discotecagem em Londres, voltando depois ao Brasil para seguir em carreira solo dentro do gênero ‘house music‘, sendo ainda um dos primeiros DJs a adotar o sub-gênero brazilian bass.

Por fim, some tudo isso ao crédito de que Alok foi eleito em 2019 o 11º melhor DJ do mundo pela revista britânica “DJ Mag”. Foi ainda o único brasileiro a integrar a lista inédita da Billboard com os 100 melhores DJs do mundo, o Billboard Dance 100 e foi considerado o “melhor DJ do Brasil” duas vezes consecutivas pela publicação brasileira House Mag. Isso está refletido exemplarmente no sucesso mundial “Hear me Now”, de Alok, com participação especial do cantor e compositor Zeeba:

FREE FIRE

Explicado quem é Alok e a sua relevância no cenário musical, é hora de explicar a outra parcela do público nessa história, o game Free Fire. Acompanhe a descrição oficial do jogo:

Garena Free Fire (também conhecido como Free Fire Battlegrounds ou somente Free Fire) é um jogo eletrônico mobile de ação-aventura do gênero battle royale, desenvolvido pela 111dots Studio e publicado pela Garena. O jogo obteve um beta aberto em novembro de 2017 e foi lançado oficialmente para Android iOS em 4 de dezembro de 2017.

Como se joga

Durante as partidas realizadas de maneira online, cerca de cinquenta jogadores caem de paraquedas em uma ilha em busca de armas e equipamentos a fim de matar os outros jogadores. Os jogadores escolhem à vontade a posição inicial, pegam armas e suprimentos para aumentar o tempo de vida na batalha. O último sobrevivente ganha.

Para começar a jogar é necessário criar uma conta pessoal no jogo, onde o jogador pode escolher se deseja criar uma conta própria ali ou logar com sua conta de alguma rede social, como o Facebook por exemplo. Feito isso é só seguir as orientações básicas do game e esperar pra entrar num avião que soltará o jogador na ilha, para dar início ao jogo. Confira um trailer abaixo:

Alok dentro do Free Fire

Essa é uma parte que pode deixar alguns internautas confusos, por isso é necessário ler com um pouco mais de atenção na introdução a seguir. Free Fire é um jogo do tipo Battle Royale, onde se mistura elementos de exploração e sobrevivência (como armas, coletes e medicamentos) dentro de um território onde vários outros jogadores online fazem a mesma coisa, tendo como objetivo ser o último sobrevivente (ou sua equipe, caso seja uma opção).

Disto isto, esses territórios frequentemente possuem eventos promocionais das mais variadas ordens, que vão desde oportunidades para coleta de itens importantes/ raros até a um descontraído show (que também podem distribuir itens).

Os shows

Esses shows organizados dentro dos games contam com atrações protagonizadas tanto por personagens do game quanto por celebridades do mundo real, que vão parar dentro do jogo através de versões virtuais. Funciona assim:

– Escolhe-se uma celebridade e fecha-se uma parceria com ela;
– Cria-se a sua versão virtual e um evento onde ela é a atração principal;
– Anuncia-se isso com data, hora e local dentro do território do game, por exemplo, segunda-feira, 15h horário de Brasília, show musical com o artista X, na ilha da caveira;
– Cada jogador desse game vai até o local no momento combinado com o personagem que estiver jogando. No local, são permitidos geralmente até 50 personagens por servidor. O que significa dizer que você poderá encontrar até outras 49 pessoas na SUA tela. Contudo, vários outros servidores para esse evento são disponibilizados, de modo que se suporte milhões de participantes nesse evento.

E não se engane, tem público. E muito. Um exemplo disso foi o show virtual que o rapper Travis Scott fez em Fortnite em 24 de abril desse ano, atraindo, de servidor em servidor, cerca de 14 milhões em plateia, que pode circular livremente pelo local enquanto a apresentação rola. Veja como foi a festa em um desses servidores:

E o Alok?

Embora os números do rapper americano sejam assustadores, Alok também tem muito do que se orgulhar da sua versão virtual. Mais do que um artista que pode fazer shows dentro de um jogo, o DJ virou um personagem de Free Fire.

De acordo com a assessoria do game, “O nome de Alok surgiu ainda em janeiro de 2019, quando a Garena descobriu que o DJ é um fã genuíno de Free Fire. Conversamos com o Alok e surgiu a ideia de colocá-lo dentro do jogo.” Assim, o DJ virou um personagem dentro de Free Fire em 11 de novembro do ano passado.

O personagem possui a habilidade de criar uma aura de 5m de diâmetro que recupera sua HP e dos companheiros de equipe que estiverem próximos, além de aumentar a velocidade de movimento.

Música tema

E se o personagem Alok é usado para tocar o terror no jogo e está em alta, nada foi mais coerente do que deixar o artista tocar como o responsável pela música tema do game, em Free fire World Series 2019. Confira abaixo:

Alok em Casa

Por fim, a mais recente ação entre Alok e Free Fire foi o a live Alok em Casa, um show musical feito de dentro de sua cobertura em São Paulo-SP, que foi transmitida para alguns canais de televisão e de internet, além der transmitida também de dentro do jogo Free Fire. No game, a oportunidade também serviu para coletar itens importantes a serem usados durante as partidas.

A iniciativa também pôde ser associada a mais uma das medidas que os artistas tem feito afim de incentivar as pessoas a ficarem em casa.
Eu quero levar um pouco de alegria para as pessoas que estão em casa e também conscientizar sobre o momento que estamos passando. Quero passar uma mensagem de esperança, de que tudo vai dar certo. Estou muito empolgado, muito feliz e me preparando bastante pra este momento. Será uma apresentação bem diferente da que estou habituado a fazer“, conta o DJ. 

E falando em casa, a de Alok chamou muito a atenção. Confira algumas curiosidades sobre o imóvel do artista abaixo:

https://observatoriodegames.uol.com.br/mercado/2020/05/cobertura-da-live-alok-em-casa-custa-r-45-milhoes-veja-outras-curiosidades
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio