Processo contra Fortnite por apropriação de dancinha é retirado

Publicado em 2/6/2020
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Fortnite acaba de se livrar de vez de mais um processo. Desta vez, a ação judicial que reivindicava os direitos do emote de Running Man está tida como improcedente. O processo corria em nome de Jared Nickens e Jaylen Brantley, ex-jogadores de basquete da Universidade de Maryland, que se colocavam como responsáveis por popularizar o Running Man Challenge anos atrás.

O processo por violação de direitos autorais foi aberto em fevereiro de 2019, depois que a dança foi popularizada em 2016 e viralizou. Vale lembrar que a empresa já enfrentou processos como estes anteriormente, onde o responsável pela coreografia entende que a desenvolvedora do jogo, que vende essas performances, lucra indevidamente em cima de seus movimentos popularizados.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um dos casos mais famosos foi o de Alfonso Ribeiro, o Carlton, de um Maluco no pedaço, que também tentou reivindicar os direitos de sua dancinha icônica e perdeu.  Relembre a dancinha:

Nickens e Brantley estavam buscando US $ 5 milhões em indenização pelo processo de direitos autorais antes que este fosse julgado improcedente. Não conseguirão nada. Relembre o passo da dupla:

O advogado da Epic Games, Dale Cendali, mencionado anteriormente durante a batalha legal de 2 Milly sobre o emote “Swipe It”, “Ninguém pode possuir um passo de dança . A lei de direitos autorais é clara: passos de dança individuais e rotinas simples de dança não são protegidos por direitos autorais, mas são os blocos de construção da liberdade de expressão, que são de domínio público para coreógrafos, dançarinos e público em geral usarem, apresentarem e se divertirem“.

Confira abaixo algumas inspirações de dança em Fortnite:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio