Psiquiatra sugere “dar um tempo” em games, pornografia e redes sociais

Não necessariamente nesta mesma ordem

Publicado em 06/07/2022 20:19
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A psiquiatra Anna Lembke, da Universidade Stanford, tem chamado atenção na internet recentemente por conta de alguns apontamentos polêmicos, e isso envolve três grandes ímãs de atenção da humanidade nos dias de hoje: redes sociais, pornografia e videogames.

Dor e prazer no mesmo lugar

De acordo com Anna, autora do livro “Nação Dopamina“, a busca constante por esses conteúdos gera um tipo de recompensa prazeroso que, a médio-longo prazo, pode ser prejudicial à saúde. A psiquiatra começa seu livro lembrando de um apontamento que já trata de levantar algumas sobrancelhas, ao lembrar que que o cérebro processa prazer e sofrimento no mesmo lugar. E uma vez que tudo se concentre no mesma caixa, “bagunçar” tudo ali dentro é algo bem possível, dependendo da intensidade com que se interage com essas informações.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

COVID acelerou muita coisa

Em entrevista ao jornal Estadão, Anna explica que a busca constante por realização plena através de “estímulos altamente compensatórios” como videogames, redes sociais e pornografia tende a gerar frustração. Isso porque o cérebro passa a ficar ávido por recompensas, e pode entrar em um círculo vicioso de compulsão. 

Ainda de acordo com Anna, boa parte desse comportamento se intensificou com a pandemia. Confinados e com o celular trazendo tudo na palma da mão, os casos de pessoas viciadas em “dopamina digital” foram se acumulando nas clínicas.

Notificações

De acordo com a psiquiatra, os “lembretes” da “drogas digitais” são responsáveis por atiçar ainda mais o vício das pessoas em games, redes sociais e pornografia. O número nos ícones de atualização das redes sociais e propagandas cada vez mais incisivas deixam a dopamina a um click de distância da satisfação.

Consequências desses vícios

Além de todos os males sociais e de saúde que acompanham o vício, ainda pode ser observado a alta da depressão, ansiedade, irritabilidade, insônia e preocupação mental com esse tipo de droga.

Sinais de vício e hora de dar um pause

De acordo com Anna Lembke, mentir sobre o tempo gasto nessas atividades é um dos principais sinais de que o indivíduo está fora do controle. Comportar-se de modo não consistente com seus valores, sentir-se mais deprimido e ansioso também são indicativos de que a pessoa pode estar precisand ode ajuda.

Diante disso, o mais indicado segundo a profissional é tentar dar uma pausa de pelo menos 30 dias nesses “passatempos”. Caso não se obtenha sucesso, é fundamental que se procure ajuda profissional para lidar com esse consumo compulsivo.

Repercussão

Nas redes sociais, o assunto tem rendido em vários portais, sempre com reações variadas. Confira abaixo alguns comentários feitos no perfil do Quebrando o Tabu, em sua conta no Instagram:

Pelo mundo, existem vários tipos de clínicas e tratamentos que promete tratar o vício em jogos eletrônicos. Na Europa, uma das mais famosas é a Yes We Can, uma clínica de luxo que cuida de jovens com vícios crônicos em games e outras dependências. Confira aqui a reportagem especial feita pelo Observatório de Games.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Produtos recomendados

HD EXTERNO

Comprar

CONTROLES

Comprar

CONSOLES

Comprar

ACESSÓRIOS

Comprar

CADEIRA GAMER

Comprar

HEADSET

Comprar