Tinder irá puxar a ficha do pretendente; outros Apps podem aderir ao conceito

Em breve, estará disponível uma tecnologia que promete puxar o histórico da pessoa que você está para interagir, e a ideia pode ir para outros serviços

Publicado em 27/3/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Hoje, mais do que nunca, inegavelmente estamos conectados à estranhos. Seja jogando, fazendo um contato de trabalho, pegando um Uber compartilhado ou mesmo flertando, é praticamente impossível saber se a pessoa do lado de lá é alguém perigoso até que seja tarde demais. Mas pelo menos para galera que xaveca na era digital, esse processo ficará um pouco mais seguro. É o que garante o Match Group, dono do aplicativo Tinder.

A empresa anunciou um investimento na ONG Garbo, uma organização que está empenhada em permitir que as pessoas façam verificações de antecedentes apenas com o primeiro nome e número de telefone, ou então pelo nome completo de um suspeito.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com a ação, que ainda não tem data para acontecer, será possível conferir se o lado de lá do “match” tem antecedentes criminais ou algum histórico de violência.

Como vai funcionar

A ONG tem coletado “registros públicos e relatórios de violência ou abuso, incluindo prisões, condenações, ordens de restrição, assédio e outros crimes violentos”. Em seu site, a organização informa que aceita receber relatórios legais que ajudem a proteger as pessoas que estejam suspeitando de alguém. Documentos como B.O.s, ordens de restrição, distanciamento e outros registros podem ser anexados por quem quiser colaborar com esse banco de dados.

Todo esse material irá para o Tinder, e será automaticamente anexado ao perfil do infrator que tiver uma conta no App. No caso de um possível encontro, bastará nome + um sobrenome ou ainda o número do celular para que a ficha seja puxada pelo outro.

O “Mas”

Embora o serviço possa ser realmente útil, existem dois poréns bem polêmicos. O primeiro deles é que a ONG (e consequentemente o Tinder) não divulgará nenhum envolvimento por porte de drogas registrado pela lei. De acordo com a Garbo, isto seria em favor de uma “postura ativa em relação à equidade”. A ONG cita uma pesquisa sobre a porcentagem desproporcional de negros que são presos por acusações de drogas em comparação com os brancos. A empresa também diz que os crimes relacionados com as drogas não prevêem significativamente a “violência baseada no gênero”, que é o que a marca se preocupa principalmente em prevenir. 

A outra é certamente bem polêmica. A parte que informará o histórico comportamental do pretendente será visível para quem pagar pelo recurso. Ainda não há um preço definido para isso, mas de acordo com o apurado pelo The Verge, ONG e App estão empenhados em calibrar valores para que isso fique acessível a praticamente todos os usuários do serviço de paquera online.

Quando e onde

Por enquanto, os registros da ONG só abrangem algumas cidades do condado de Nova Iorque. Logo, o serviço será testado somente com as pessoas que estiverem nesse raio de alcance. A previsão para início da experiência é que isso ocorra nos próximos meses. Funcionando, o serviço pode se expandir para outras regiões e também outros apps da empresa, como OkCupid, Hinge e Match.

Para quem não usa o App

Para os que não interagem pelo App, mas mesmo assim precisam de serviços como Uber compartilhado, contratar profissionais de reparos via app, ou simplesmente estejam numa situação onde irão encontrar uma pessoa pessoalmente pela primeira vez, a ONG tem um campo onde é possível pesquisar esse tipo de histórico, que também está limitado por enquanto à região citada acima.

Link Gamer

A iniciativa é certamente muito útil e promete interferir diretamente na performance de muita gente que usa o app, mas conforme dito acima, isso também pode servir para outras situações. As interações que ocorrem via chat de jogos online, por exemplo, seriam muito beneficiadas com a medida. Muito mais do que vetar ou alertar um provável agressor de mulheres, a coleta de dados referentes à infrações como racismo e toxidades em geral seria certamente um filtro importante no universo.

Avisos como “Atenção: Você está formando um squad com jogador de histórico disso ou daquilo” certamente seria providencial em muitas situações. A EA, prometeu essa semana algo do tipo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio