Nintendo não vai entrar na onda das mega aquisições feitas por Sony e Microsoft

"Pessoas que não possuem DNA Nintendo em nosso grupo não seriam uma vantagem."

Shuntaro Furukawa
Publicidade

Após um período movimentado de anúncios de aquisição da Microsoft e da Sony, a Nintendo foi questionada se também planejava comprar outros desenvolvedores. Talvez sem surpresa, considerando o quão bem está fazendo suas próprias coisas, o chefe da Nintendo disse que não. “Nossa marca foi construída sobre produtos criados com dedicação por nossos funcionários, e ter um grande número de pessoas que não possuem o DNA da Nintendo em nosso grupo não seria uma vantagem para a empresa”, disse o chefe da Nintendo, Shuntaro Furukawa, aos investidores (traduzido pela Bloomberg).

A Nintendo só ocasionalmente comprou desenvolvedores externos no passado – e certamente não com a mesma velocidade que as aquisições da Microsoft e da Sony nos últimos dois anos. Esta manhã (3), a empresa anunciou um novo marco de vendas de 103 milhões de consoles para o Nintendo Switch, já que vendeu mais que o Wii, o que mostra sua real força como marca.

O console ainda está no meio de sua vida útil, e seus próprios produtos, tem sido o real motivo do Switch continuar a crescer, o que ainda aumentará seus números em breve, com a chegada de Pokémon Legends Arceus, entre outros. E este é com certeza um motivo que o chefe da Nintendo pode dizer com a boca cheia: não. Pois diferente da Sony e Microsoft, elas precisam de outras empresas e seus IPs para aumentar suas vendas.

Continua depois da publicidade

A aquisição mais recente da Nintendo foi a compra em janeiro de 2021 do estúdio canadense Next Level Games, desenvolvedor de Luigi’s Mansion 3, mais um produto da empresa. Na semana passada, a Sony anunciou que comprou a Bungie, desenvolvedora de Destiny, por US$ 3,6 bilhões, tornando-se o sexto estúdio adquirido desde o início de 2021.

Em janeiro, a Microsoft anunciou a compra da Activision Blizzard por US$ 69 bilhões. O acordo deve ser fechado no ano que vem e ser a maior aquisição de uma empresa de jogos de todos os tempos – superando a compra anterior da Bethesda pela Microsoft, por US$ 7,5 bilhões.

Via: Eurogamer/Bloomberg

Publicidade
© 2022 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade