Nintendo nega acusações de atividades ilegais

A Nintendo divulgou uma declaração negando as alegações de repressão sindical apresentadas em uma recente queixa nos EUA.

Nintendo of America
Publicidade

O tema da sindicalização permanece controverso sempre que surge, e a indústria de jogos não é exceção. Grandes corporações como a Activision Blizzard foram criticadas por supostos esforços de repressão sindical, com a Nintendo sendo a mais recente empresa a cair na mira, a qual já havia criticado abertamente a Activision Blizzard.

Após ser acusada de atividades ilegais envolvendo a sindicalização de seus trabalhos, nos EUA, a empresa divulgou recentemente uma declaração negando esta alegação e afirmando que a empresa não tem conhecimento de quaisquer esforços de sindicalização em andamento na Nintendo of America. No início da semana, um trabalhador não identificado apresentou uma queixa ao Conselho Nacional de Relações Trabalhistas.

Este documento, alega que a Nintendo se envolveu em atividade sindical, suprimindo ilegalmente o direito de organização de seus trabalhadores. Os detalhes eram inicialmente desconhecidos até que o repórter Stephen Totilo apresentou um pedido de Lei de Liberdade de Informação. De acordo com um documento fornecido pelo NLRB, a denúncia acusa a Nintendo of America e a agência de recrutamento Ashton Carter de demitir um funcionário por ingressar ou apoiar um sindicato e discutir tópicos como salários ou termos de emprego.

Continua depois da publicidade

Alega também que as empresas se engajaram na fiscalização para desencorajar a filiação sindical e a negociação coletiva. Se as alegações forem verdadeiras, a Nintendo of America terá violado a Lei Nacional de Relações Trabalhistas de 1935. No entanto, a empresa nega essas acusações. Em uma declaração recente, a Nintendo afirma que a empresa não está ciente de nenhum esforço de sindicalização em andamento.

Em vez disso, de acordo com a Nintendo, um trabalhador insatisfeito apresentou a queixa após ser demitido por divulgar informações confidenciais. A Nintendo não forneceu mais detalhes, mas nega que houvesse outros motivos para a demissão do contratado. Ela também diz que leva a sério as questões de emprego e pretende cooperar totalmente com a investigação do National Labor Relations Board.

Em última análise, ambas as partes têm motivos para mentir nesta situação, e a opinião pública parece dividida. Por um lado, as alegações da Nintendo são plausíveis e é possível que um mau ator esteja simplesmente se aproveitando do discurso de sindicalização em andamento. Por outro lado, a Nintendo poderia simplesmente estar mentindo para encobrir atividades ilegais.

Embora a Nintendo tenha até agora evitado os problemas trabalhistas que assolam muitas outras empresas, ainda pode ser do interesse da empresa suprimir os esforços de sindicalização de seus trabalhadores.

Infelizmente, é muito cedo para dizer qual partido está dizendo a verdade nesta situação. Levará algum tempo até que o NLRB emita uma decisão, já que a investigação deve durar entre sete e quatorze semanas. Embora isso possa decepcionar qualquer um que espere uma resolução rápida, muitos, sem dúvida, ficarão curiosos para ver qual versão dos eventos o Conselho Nacional de Relações Trabalhistas endossa.

Via: Game Rant/Twitter

Publicidade
© 2022 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade