Depois de preso pelo FBI, Bowser está sendo processado pela Nintendo por pirataria

Bowser
Publicidade

A Nintendo of America abriu um novo processo contra um associado do antigo criador de hack, Team Xecuter. Seguindo as investigações do F.B.I., o canadense Gary Bowser foi preso na República Dominicana em setembro de 2020, antes de ser extraditado para os EUA para enfrentar acusações criminais pela suposta criação e distribuição de dispositivos Nintendo Switch “jailbreak”, como o SX Core e SX Lite.

Conforme relatado pelo site Polygon, a Nintendo abriu um novo processo em um tribunal de Seattle na semana passada, alegando que Bowser infringiu os direitos autorais da empresa ao criar e distribuir os dispositivos de hackers. O processo exige a restituição no valor de $ 2.500 dólares para cada dispositivo trafegado e $ 150.000 para cada violação de direitos autorais, bem como o encerramento completo das operações de fabricação de mod de Bowser.

Bowser faz parte de um trio de membros da Equipe Xecuter que enfrentam acusações criminais por sua participação nas supostas operações de hacking do Switch. O francês Max Louarn também foi preso em setembro no Canadá, com as autoridades ainda buscando a extradição dos EUA. Um terceiro associado, o chinês Yuanning Chen, ainda está sendo procurado pelas autoridades.

Continua depois da publicidade

As prisões do Team Xecuter são parte de uma investigação em andamento e repressão da Nintendo aos fabricantes e distribuidores de dispositivos de hacking. No início de setembro de 2020, o fabricante de hack Uberchips com sede em Ohio foi ordenado pelos tribunais a pagar $ 2 milhões de dólares em danos à Nintendo por sua parte na distribuição dos produtos do Team Xecuter.

Via: Polygon/Game Industry

Siga o Observatório de Games nas redes sociais


Publicidade
© 2022 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade