Polícia prende chinês que faturou 10 milhões de ienes com pirataria de Zelda

Os arquivos do jogo vinham com habilidades de personagens aprimoradas, que seriam difíceis de obter por meio do jogo padrão

Zelda
Publicidade

Um chinês de 27 anos, que vivia em Tóquio e vendia arquivos salvos de The Legend of Zelda: Breathe of The Wild modificados, foi preso pela polícia japonesa no dia 8 de julho. Segundo o Broadcasting System of Niigata (BSN), os arquivos salvos vieram com habilidades de personagens aprimoradas e itens raros que seriam difíceis de obter por meio do jogo padrão.

Porém, Zelda não foi o único game que o homem vendeu arquivos salvos modificados. Ele admitiu à polícia que ganhou 10 milhões de ienes (quase 500 mil reais convertidos) com a venda de arquivos salvos por meio de um site de leilão, cobrando 3.500 ienes por pop, em apenas um ano e meio, a partir de dezembro de 2019.

Segundo o relatório, a lista do leilão anunciava os arquivos salvos modificados como “o software mais forte”, e com base nas informações da BSN, a atividade da pessoa potencialmente violava a lei japonesa de prevenção da concorrência desleal. A lei trata dos casos em que informações secretas da empresa são roubadas ou divulgadas de forma ilegal. Infelizmente, essa não é a primeira vez que o Japão toma atitudes drásticas com alguém que vende jogos salvos modificados.

Continua depois da publicidade

Em fevereiro, as autoridades japonesas prenderam um homem de 23 anos que ganhou 1,1 milhões de ienes (mais de 50 mil reais convertidos) vendendo milhares de Pokémon modificados para Pokémon Sword and Shield.

Via: Wesley Yin-Poole/Eurogamer

Publicidade
© 2021 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade