ARIDA
Árida: A saga sertaneja vai continuar. Imagem: Divulgação.

Árida, o game de sobrevivência que se passa no sertão nordestino, ganhará uma sequência. É o que indica a mais recente postagem do Aoca Game Lab, estúdio baiano que desenvolveu a primeira aventura do game, protagonizada por Cícera.

Usando suas redes sociais, o AOCA confirmou que a sequência do game para PC já está sendo matutada. “Acabamos de soltar o primeiro teaser do ÁRIDA: Rise of the Brave, o próximo jogo da nossa franquia! comenta a postagem.

O que esperar da próxima aventura no sertão

Por enquanto, o estúdio ainda não detalhou muitas informações sobre como se dará a próxima experiência sertaneja, mas já adiantou que se trata da continuação do que se jogou em Árida: Backland’s Awakening.

Dando continuidade ao Backland’s Awakening, esse segundo jogo apresenta a jornada de bravura de Cícera em busca do povoado de Canudos. Uma viagem sertão adentro com novas ameaças e mais descobertas, além de algumas novidades como o ciclo de dia e noite retratado no teaser.

O primeiro game

Inicialmente batizado de “Projeto Sertão”, Árida é fruto dos esforços do AOCA, um pequeno estúdio baiano, porém, de ambições grandes.
Com a intenção de entreter e, simultaneamente, ensinar sobre a cultura local, o game se passa no sertão nordestino do séc XIX, onde a protagonista Cícera percorre cenários da região inspirada em Canudos para auxiliar o sertanejo em suas missões de exploração e sobrevivência.

Suportes

Para compor o game com elementos fiéis ao ambiente pretendido, a equipe contou com ações importantes, como a ajuda de historiadores da Universidade Estadual da Bahia, além de irem pessoalmente até a região de Canudos para passar alguns dias absorvendo informações sobre tudo.

Equipe da AOCA na região de Canudos para estudar a atmosfera sertaneja para aplicar o conteúdo absorvido em Árida. Foto: tumblr_inline_opv6rvzeNA1uw1f84_1280

O projeto alavancou, também, graças a um edital da Ancine, que contemplava ideias para a área de games, tendo o AOCA como único estúdio baiano entre os escolhidos.
Para a categoria de Árida, foram destinados R$250 mil reais. Praticamente um gotejo na missão de encher um jogo com bons elementos, mas assim como é rotina na região retratada, sãos os gotejos salvam o que está em jogo.