Chuva de rajada

Unir games e música é uma associação de nível hard quando o assunto é migrar isso para fora das telas de jogo. O mercado até conta com boas ações como a banda Pentakill e as ações de Alok no game Free Fire, mas parece que ainda vai levar um tempo até que algo venha imediatamente à cabeça quando o assunto envolver esses dois universos.

Contudo, uma iniciativa está surgindo com o intuito de diminuir esse tempo: O selo musical Hyplay, que pretende estar a frente de grandes projetos envolvendo games e música. “O Hyplay surgiu para conectar estes talentos, dar suporte e abrir caminhos, incentivando o lançamento de músicas que expressam o lifestyle e a cultura gamer”, explicou a head de Novos Negócios da holding, Daniela Branco. 

A mais recente demonstração de como isso pode funcionar nas mãos da organização pôde ser vista na Liga NFA. Um videoclipe dançante, repleto de referências cibernéticas relacionadas ao game Free Fire deu início à quarta temporada da Liga NFA — campeonato que se iniciou em 6 de julho, reuniu mais de três mil jogadores e teve uma audiência de quase dois milhões de espectadores.

O clipe, estrelado pela artista trap, Luanna Exner, também marcou a estreia do novo selo da holding BMS, proprietária da liga e um dos principais players de games e esports do Brasil: o Hyplay. Confira:

Desafiamos a cantora a compor uma música autoral para a Liga NFA. Ela mergulhou no cenário do Free Fire e nos apresentou “Chuva de Rajada”, com referências que conversam diretamente com o nosso público. Exatamente a proposta que buscamos com o selo”, explicou Daniela. “O próximo passo do Hyplay será trazer os talentos do game para o mercado da música. A ideia é elevar ainda mais o nível das produções nesta área.” conclui a executiva.

A proposta é ousada e clara: apoiar e incentivar talentos, streamers, influenciadores e bandas da cena gamer para conquistarem espaço na indústria fonográfica. Profissionalizar o cenário musical dos games, suprindo uma super demanda do mercado: em geral, players, influenciadores e streamers não possuem suporte ou qualquer conhecimento sobre a indústria fonográfica.

Leia também: