Publicidade
ENTENDA

Ex-chefe do PlayStation tem um alerta para a indústria de jogos

Uma das verdades da indústrias e um dos poucos que tem coragem de falar.
Gostou? Compartilhe!
Shawn Layden, Ex-Playstation
(Imagem: Divulgação)
Publicidade

Shawn Layden está fora da PlayStation há quatro anos, mas a aposentadoria não o impediu de pesar em tendências maiores nos jogos. Há muito tempo preocupado com os orçamentos de desenvolvimento de blockbuster, o ex-CEO da Sony Computer Entertainment America adicionou a consolidação do estúdio e o estado de preservação dos jogos aos seus alertas para a indústria de videogames.

No mês passado, Layden compartilhou algumas dessas preocupações durante seu discurso principal na GamesIndustry.biz Investment Summit. “Primeiro, a consolidação pode ser inimiga da criatividade“, disse ele, comentando sobre uma onda de aquisições por grandes editoras de jogos. “Também acho que o aumento dos custos nos jogos é uma ameaça existencial para todos nós. E a entrada [de Google, Netflix, Apple e Amazon] no setor – também conhecidos como os bárbaros na porta” finaliza Layden.

O veterano da Sony, que deixou o cargo em 2019 em meio a uma reformulação corporativa, expandiu alguns desses pontos em uma entrevista na semana passada ao podcast Lan Party. Desde que deixou a fabricante do PlayStation 5, Layden assumiu, talvez sem querer, ocasionalmente o papel de um coro fora dos palcos em uma tragédia grega, insinuando a possibilidade de uma desgraça iminente se as empresas de jogos não se “interromperem” antes que o mercado o faça, encontrando um apelo mais amplo e modelos de negócios mais sustentáveis.

Continua depois da Publicidade

Sendo um crítico perene da tendência de blockbusters de 40 a 60 horas que exigem vários anos e centenas de milhões para serem desenvolvidos, Layden falou sobre a necessidade de as empresas “desarriscarem” projetos caros, recuando para sequências e franquias estabelecidas de Hollywood. A recente corrida para adquirir estúdios, com Microsoft, Sony, Embracer, Take-Two e gastando bilhões para adicionar a seus portfólios, pode levar a ainda menos criatividade à medida que mais equipes são colocadas para trabalhar atendendo a esses projetos.

Via: Kotaku | GI | Review Journal

CONTEÚDO RELACIONADO