Publicidade
Entenda os motivos

Microsoft diz que Activision não deveria ter retirado Call of Duty do Steam

A Microsoft diz que a Activision cometeu um erro ao retirar Call of Duty do Steam, apoiando suas reivindicações com dados de crescimento da plataforma e muito mais.
Gostou? Compartilhe!
Call of Duty
(Imagem: Divulgação)
Publicidade

Call of Duty nunca deveria ter sido retirado do Steam, a Microsoft proclamou em um novo processo pós-julgamento após sua vitória no tribunal contra a Federal Trade Commission. A popular franquia FPS começou sua aventura off-Steam em 2018 com Call of Duty: Black Ops 4, e não voltaria até 2022, com o lançamento do novo título Modern Warfare 2, cujo sucesso motivou a Activision Blizzard para lançar entradas de franquias mais antigas no Steam também.

Após meses de confusão legal entre a Microsoft, a Sony e a FTC nos Estados Unidos, a juíza decidiu a favor da aquisição da Activision Blizzard pela Microsoft, aproximando o negócio de um grande passo. Agora que as chances estão mais firmes do lado da Microsoft, a empresa apresentou um novo lote bastante significativo de registros que discutem alguns dos principais eventos que levaram à sua tentativa de aquisição.

Um dos mais interessantes desses registros diz respeito à decisão da Activision de tornar a franquia Call of Duty exclusiva do Battle.net na esperança de ajudar a plataforma a crescer. De acordo com a Microsoft, essa tática foi uma “falha retumbante” e deixar o Steam não levou a um crescimento substancial na base de usuários do Battle.net.

Continua depois da Publicidade

A Microsoft afirma claramente que o plano não levou a um crescimento substancial da base de usuários do Battle.net, enquanto aproximadamente no mesmo período, o Steam basicamente dobrou de tamanho, saltando de 67 milhões de usuários em 2017 para 132 milhões em 2021. A conclusão da Microsoft foi, portanto, que a Activision falhou em apostar no acesso exclusivo ao Call of Duty​​​​​​.

O processo legal discutindo esses assuntos foi enviado em resposta ao recurso da decisão do tribunal da FTC no julgamento de aquisição da Activision Blizzard, com a Microsoft argumentando que Call of Duty sozinho não é capaz de elevar toda uma plataforma de jogos por conta própria.

Mesmo que uma plataforma não tenha acesso ao Call of Duty, como foi o caso do Steam entre 2018 e 2022, ela ainda pode obter um sucesso substancial. Em outras palavras, mesmo que a Microsoft tornasse Call of Duty um exclusivo do Xbox, isso não significaria uma sentença de morte para o PlayStation.

Ao mesmo tempo, essa situação hipotética nunca aconteceria, segundo a Microsoft. O chefe do Xbox jurou que Call of Duty permanecerá no PlayStation no futuro próximo, mas a empresa ainda está tentando construir um argumento o mais infalível possível, com a FTC respirando fundo.

Embora o fato de o tribunal recentemente ter decidido a favor da Microsoft tenha sido um grande benefício para a aquisição, as coisas ainda podem mudar no futuro.

Via: Twitter/Game Rant

CONTEÚDO RELACIONADO