Publicidade
Saiba mais

“Estamos matando a Sony” diz documento vazado da SEGA

Documentos vazados iluminam a malfadada batalha da Sega com o PlayStation
Gostou? Compartilhe!
Playstation vs Saturn
(Imagem: Divulgação)
Publicidade

A “Guerra dos Consoles” não é algo novo e só tem ganhado novos protagonistas durante as décadas. Nintendo vs SEGA, SEGA vs PlayStation, Nintendo vs PlayStation e a mais recente, Xbox vs PlayStation vs Nintendo, que tem ganhou mais lenha com os documentos divulgados durante a batalha judicial da Microsoft para adquirir a Activision Blizzard.

E agora, mais um apareceu, mas relativo ao passado e que é muito interessante. O documento ‘Brand Review‘ de 1997 da Sega, de janeiro de 1996, tem mais de 270 páginas e inclui listas de lançamentos, discussões estratégicas e e-mails relacionados à luta da gigante japonesa contra o PlayStation – que, como parte das notas do documento, estava superando seu console Saturn de 7-para-1.

No início do documento, um e-mail interno do presidente da Sega of America, Tom Kalinske, lamenta o fato de que, somente no Japão, o Saturn estava vendendo rapidamente. “Estamos matando a Sony”, diz ele. “Gostaria de poder fazer com que todos os nossos funcionários, vendedores, varejistas, analistas, mídia, etc., vissem e entendessem o que está acontecendo no Japão; eles então entenderiam por que venceremos aqui nos Estados Unidos eventualmente.”

Tal positividade era admirável, mas até mesmo o próprio Kalinske poderia não ter acreditado na época. Ele deixou a empresa em 15 de julho de 1996, alguns meses depois que o documento de revisão da marca circulou dentro da empresa. O documento pinta um quadro bastante sombrio para Saturno. “É necessário melhorar significativamente o suporte de terceiros para alcançar a paridade com a Sony, a biblioteca de terceiros da Sony é significativamente mais forte que o Saturn”, diz uma seção.

“Orçamento de marketing significativamente reduzido (queda de 40%) tornará difícil competir contra o forte suporte contínuo da Sony e o forte lançamento esperado da Nintendo“, está escrito na mesma página, listado em ‘problemas’. A falta de suporte de terceiros também é mencionada posteriormente. “A Crystal Dynamics e a EA podem interromper o desenvolvimento futuro do Saturn”, observa-se.

Tom Kalinske, presidente da Sega of America. Imagem: Sega of America

Dois títulos de terceiros recebem uma menção notável no documento – Destruction Derby da Psygnosis e WipEout, ambos exclusivos da Sony quando o PlayStation foi lançado no Ocidente em 1995. Embora Psygnosis fosse um estúdio de propriedade da Sony, ainda estava apoiando sistemas rivais (WipEout também viria para o N64).

No entanto, o documento observa que as versões do Saturn de ambos os títulos tinham “gráficos inferiores às versões do PSX” e destacou a necessidade de “se afastar do processo de ‘portagem direta do PSX'” e “sintonizar para explorar os pontos fortes do Saturn”, trabalhando mais de perto com a Psygnosis.

Com a chegada do Nintendo 64 ao virar da esquina, os gerentes da Sega of America estavam claramente cientes da possibilidade de que ela pudesse ficar em último lugar. “Dado um diferencial de preço H/W de $ 50, o PlayStation poderia mais uma vez vender mais do que o Saturn 7: 1. Com o lançamento do U64 [Ultra 64, nome antigo do N64] em abril/maio por $ 249, o Sega Saturn poderia se tornar o terceiro sistema.”

Outra parte do documento detalha como a Sony conseguiu vencer o Saturn no mercado dos Estados Unidos. “A Sony geralmente é vista como mais barata”, diz. “O produto (software) da Sony parece melhor do que o nosso. Isso é motivado por nossa falta de entrega de um produto que parece ser melhor para os consumidores e publicidade que se concentra nessa dimensão. Os PlayStations são mais comercializados do que o Saturn, resultando em mais exposição e amostragem.”

Também há um elemento de luta com o passado recente da Sega – e suas notáveis falhas de hardware. “O patrimônio da Sega foi prejudicado pelo 32X e pelo Sega CD“, diz o documento – um reconhecimento de que os dois dispositivos adicionais eram fracassos comerciais. “Como o PlayStation é mais novo, alguns consumidores acham que é tecnicamente superior”, continua. “A Sony efetivamente alavancou seu patrimônio considerável de produtos eletrônicos de consumo.”

Os títulos esportivos foram um campo de batalha fundamental para a Sega na guerra de 16 bits, mas quando o Saturn chegou, ficou claro que a empresa estava sendo superada pela Sony. O documento destaca o fato de que a Sega “não tem um grupo de desenvolvimento esportivo centralizado” e estava sofrendo de uma “incapacidade de programar o lançamento de produtos com o início da temporada esportiva devido à qualidade não competitiva do produto (NHL Hockey e NBA Action)”.

Os próximos títulos esportivos da Sega são mencionados, incluindo um com o codinome “MicroproseNFL, que aparentemente estava seis meses atrasado e “de qualidade muito baixa” – tão ruim, na verdade, que se sentiu que “prejudicaria a Sega e os esportes da Sega se lançado.” A única opção, segundo o documento, era “matar o título ou vender para terceiro”.

As outras plataformas da Sega da época – Genesis e Pico (não ria) – também recebem uma menção. O estado terrível do orçamento de marketing reduzido da Sega é revelado quando Kalinske pergunta por que mais não está sendo feito em termos de gastos promocionais para posicionar o Sega Nomad (um Genesis portátil) como um rival do Game Boy. Len Ciciretto, da Sega, responde: “Tom, você vai ouvir muito isso este ano, então precisa perceber. Quando cortamos cada canto, não sobra muito.”

Digno de nota é uma seção posterior no documento que descreve os planos da Sega para mudar as coisas na América do Norte. Ironicamente, um desses passos foi ignorar o que o Saturn era realmente bom – mover sprites 2D – e focar em jogos 3D.

“Utilize polígonos em vez de sprites, para fornecer ambientes 3-D para praticamente todos os títulos (a menos que seja tecnicamente inapropriado)”, diz, antes de acrescentar que a Sega deve “desenvolver pelo menos 1-2 jogos ‘inovadores’ que utilizam a tecnologia Saturn que o PlayStation não pode duplicar”. O documento também menciona o complemento de modem do Saturn e descreve que a Sega deve lançar “pelo menos 6 a 8 jogos que tenham compatibilidade com a Internet”.

Dificilmente é um spoiler mencionar neste ponto que a Sega não seria capaz de mudar as coisas com o Saturn; iria vender 9,26 milhões de unidades em todo o mundo, em comparação com 102,49 milhões do PlayStation e 32,93 milhões do N64, colocando-o firmemente em terceiro lugar.

No entanto, continua sendo o favorito dos fãs da Sega, especialmente aqueles sábios o suficiente para importar um console japonês para jogar algumas das melhores versões de fliperama da época.

Via: PushSquare/Time Extension/Sega Retro/Twitter

CONTEÚDO RELACIONADO