Target para de vender cartas de Pokémon nas lojas após evento violento

Um dos motivos do cancelamento da venda de cards Pokémon foi um ato de agressão contra um consumidor

Pikachu
Publicidade

Os cards de Pokémon se tornaram cada vez mais populares nos últimos anos, talvez devido simplesmente à diversão inerente à coleta e obtenção de achados raros. Ou talvez seja o apelo de descobrir aquele diamante que será vendido por um preço absurdo, como o raro card Pokémon Ishihara GX que recentemente foi leiloado por quase US $ 250.000 e que tem feito a cabeça de muitos colecionadores.

Mas nem tudo é diversão com os cards colecionáveis de Pokémon. Como acontece com muitas coisas, algumas pessoas vão um pouco longe demais e estragam tudo para todo mundo, e as lojas de varejo geralmente são as que têm que limpar a bagunça. Quando a Pokémon Company fez parceria com a General Mills para incluir cartas nos seus cereais, algumas pessoas simplesmente começaram a rasgar caixas e mais caixas para chegar aos cards, deixando para trás produtos estragados que não podiam mais ser vendidos! Algumas lojas ainda recorreram à colocação de fechaduras eletrônicas nas caixas, que costumam ser reservadas para itens caros.

Agora a Target decidiu parar de vender cartões comerciais, incluindo MLB, NFL, NBA e Pokémon, a partir de 14 de maio. O motivo, de acordo com uma declaração feita pela Target, é uma preocupação com a segurança dos clientes e equipe de varejo da empresa. O Pokémon e outros cartões colecionáveis ainda podem ser comprados online, e não está claro neste momento se a moratória nas vendas de cartões se estenderá aos cartões colecionáveis Magic: The Gathering, Yu-Gi-Oh ou Digimon também.

Continua depois da publicidade

A decisão segue na esteira de rumores de que o Walmart também suspendeu as vendas de cartões comerciais no início deste mês, depois que os visitantes da loja postaram imagens online de placas nas prateleiras da loja dizendo que todos os cartões comerciais foram removidos do local de vendas. Não é particularmente surpreendente que os varejistas sintam a necessidade de tomar essas medidas de proteção. No início de maio, um homem em uma loja da Target em Wisconsin sacou uma arma no estacionamento depois que quatro outros o agrediram na tentativa de roubar alguns cartões de esportes que ele acabara de comprar.

O problema não se estende apenas aos consumidores comuns, é claro, mas é agravado pelas ações persistentes dos cambistas, que podem vender até mesmo cards promocionais de baixo valor por centenas de dólares no eBay. A Target já havia tentado lutar contra os cambistas de cards Pokémon, limitando a quantidade de cartas que podiam ser compradas por cliente e reabastecendo as prateleiras apenas às sextas-feiras às 8h.

Essas medidas se mostraram insuficientes, no entanto, uma vez que os clientes começaram a acampar do lado de fora das lojas antes de elas abrirem. Em resposta, a Target deu aos funcionários permissão para pedir que os clientes em espera deixassem as instalações e para chamar as autoridades se não o fizessem. Parece que a loja agora figurativamente ergueu as mãos e parou de tentar conter a maré por completo.

Via: Game Rant/Twitter/Target/Walmart

Siga o Observatório de Games nas redes sociais

Publicidade
© 2021 Observatório de Games | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade