Publicidade

Japão abandona oficialmente os disquetes em 2024

Gostou? Compartilhe!
Publicidade

Embora os disquetes já tenham seguido o caminho do dodô, o fantasma da antiga mídia de gravação ainda assombra o mundo digital. Como um ótimo exemplo, ao salvar um arquivo no Microsoft Office, você verá que o ícone de salvar ainda aparece como um disquete, embora haja uma boa chance de você salvar seu conteúdo no armazenamento em nuvem, em vez de um quadrado de plástico lento e desajeitado com capacidade de armazenamento extremamente limitada.

Veja também:

    O Japão é conhecido por estar na vanguarda da tecnologia, mas o governo do país ainda depende um pouco dos disquetes. Conforme relatado pelo Tom’s Hardware, havia cerca de 1.900 procedimentos oficiais de aplicação governamental que estipulavam que as empresas deveriam enviar disquetes ou CD-Roms (especificamente) contendo dados suplementares até a semana passada. Finalmente, porém, o Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão (METI) procura abandonar esta prática ultrapassada.

    Atualizando as regras

    O METI emitiu uma “Portaria Ministerial para Alterar Algumas das Portarias do METI para Promover Reformas Regulatórias para Fomentar uma Sociedade Digital”, que visa revisar e atualizar regras que ditam o uso de mídias obsoletas como disquetes. De acordo com a PC Watch, esta iniciativa faz parte de uma revisão mais ampla das regulamentações analógicas (princípios digitais) em vários ministérios, liderada pela Agência Digital.

    Continua depois da Publicidade

    A lei atual não só obriga a utilização de suportes de gravação desatualizados, mas também deixa ambiguidade sobre se ações baseadas na nuvem – como criar e guardar documentos online – são sequer permitidas. É surpreendente que o governo japonês tenha demorado tanto para agir, mas o METI finalmente está no caso.

    Num esforço para modernizar os regulamentos, eliminará quaisquer referências a tipos de meios específicos, como “disquete” ou “CD-Rom”, e irá substituí-los por termos mais contemporâneos, como “meios de gravação electromagnéticos”.

    Esta medida segue a uma série de iniciativas no Japão destinadas a reduzir a dependência de tecnologia obsoleta, mas está a revelar-se um tanto desafiadora. Por exemplo, o aparelho de fax continua a ser amplamente utilizado na terra do sol nascente. Uma pesquisa realizada em maio de 2022 revelou que 54% das empresas ainda utilizavam esse meio de comunicação antiquado.

    Via: PC Watch/TechRadar/Tom’s Hardware

    CONTEÚDO RELACIONADO