Phil Spencer afirma que Xbox Live não é uma plataforma de liberdade de expressão

Phil Spencer falou que o Xbox Live não é uma plataforma de liberdade de expressão e deve ser moderado.

Publicado em 11/01/2022 12:50
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Phil Spencer, executivo do Xbox na Microsoft, disse que a plataforma Xbox Live não foi projetada para liberdade de expressão. Os comentários foram feitos em uma entrevista recente, onde Spencer foi questionado sobre a ligação entre os jogos e o estado contencioso da política americana. Spencer faz parte da equipe de liderança sênior da Microsoft como vice-presidente executivo de jogos, liderando a marca Xbox e supervisionando suas equipes criativas globais.

Ele ocupa o cargo desde 2017, mas tem uma longa história com a Microsoft, ingressando na empresa como estagiário no final dos anos 1980. Os fãs de jogos podem reconhecê-lo por suas aparições regulares nas conferências da Microsoft na E3 desde 2010, bem como em outros eventos de jogos, como The Game Awards. Os comentários sobre a liberdade de expressão vieram como parte de uma entrevista ao The New York Times, conduzida por Kara Swisher, que perguntou a Spencer se havia uma relação entre jogos e divisão na política americana.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Swisher citou os comentários anteriores de Steve Bannon sobre aproveitar as comunidades de jogos como ferramentas políticas, citando um comentário que Bannon fez sobre a controvérsia do Gamergate. Spencer rejeitou categoricamente a ideia de que o Xbox Live foi projetado para facilitar o discurso político, argumentando que o serviço é feito principalmente para atividades relacionadas a jogos.

Confira a citação do chefão do Xbox, Phil Spencer sobre a controvérsia (Via Game Rant): “Uma das coisas que afirmamos sobre nossa rede social é que não somos uma plataforma de liberdade de expressão. Somos uma plataforma de entretenimento interativo e videogames… Não estamos lá para permitir que qualquer conversa aconteça em nossa plataforma.”

As opiniões de Spencer são consistentes com comentários anteriores que ele fez sobre o papel que a Microsoft tem na facilitação do Xbox Live. Seus esforços remontam a 2019, quando liderou uma iniciativa para redefinir as diretrizes da comunidade da Microsoft, destinadas a eliminar o assédio online. Seu foco era o ódio, o assédio sexual e a discriminação, mas permitia brincadeiras e “conversa fiada”, supondo que não fosse de natureza abusiva.

Na época, Spencer também rejeitou firmemente a ideia de que o Xbox Live era uma “plataforma de liberdade de expressão”, acrescentando que deseja que as motivações do Xbox sejam claras quando se trata de desenvolver sua plataforma comunitária.

Alguns argumentam que as plataformas online (particularmente aquelas de propriedade de entidades americanas) devem defender o direito à liberdade de expressão da Primeira Emenda, enquanto outros argumentam que a moderação de conteúdo é fundamental para as comunidades online, que são constantemente vulneráveis ​​ao discurso de ódio e abuso de maus atores anônimos. Para o Xbox Live, que limita seu escopo a atividades relacionadas a jogos, a questão talvez seja menos complexa do que para serviços como Twitter e Facebook. No entanto, o problema de como moderar o conteúdo de forma eficaz continua sendo um desafio, e Spencer não tem todas as respostas.

“Acho que todos temos um longo caminho a percorrer. Você poderia me dizer que é uma resposta esfarrapada. Tudo bem”, disse Spencer quando perguntado sobre a eficácia da moderação nas comunidades de jogos. Spencer não é a única figura de destaque do Xbox a falar publicamente em favor de uma melhor moderação. Em dezembro, o co-criador do Xbox, Seamus Blackley, denunciou o comportamento tóxico de jogadores depois que um vídeo apareceu de uma jogadora sendo assediada verbalmente em Halo Infinite. Blackley descreveu o incidente como não sendo “o futuro para o Xbox Live que imaginamos” e pediu que a Microsoft e a comunidade de jogos fizessem mais para combater os problemas.

O equilíbrio entre liberdade e proteção do jogador não é tarefa fácil de acertar, mas a Microsoft pelo menos assumiu uma posição firme. Para muitos jogadores, o compromisso contínuo do Xbox em moderar comunidades e fornecer uma plataforma focada em jogos é um tipo de progresso, mesmo que haja um longo caminho a percorrer.

E o que é Gamegate?

GamerGate foi uma campanha sexista de assédio virtual na comunidade de fãs de videojogos entre 2014 e 2017.

Via: Game Rant/The New York Times
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Produtos recomendados

HD EXTERNO

Comprar

CONTROLES

Comprar

CONSOLES

Comprar

ACESSÓRIOS

Comprar

CADEIRA GAMER

Comprar

HEADSET

Comprar