PlayStation 5
Imagem: Reprodução

Na semana passada, a Sony finalmente revelou as especificações completas do PlayStation 5. Além disso, a empresa também mostrou novos detalhes sobre o suporte à compatibilidade com versões anteriores do console.

Dito isso, como a própria revelação, grande parte do despejo de informações do talk post foi sobre o SSD avançado e personalizado do console, que segundo um desenvolvedor, é uma das principais razões pelas quais é um dos consoles mais revolucionários já projetados.

O SSD do PlayStation 5 é um divisor de águas, e de acordo com Mark Cerny, da Sony, um dos muitos benefícios serão tempos de instalação de patches drasticamente menores.

Muitos parecem não entender esse ponto, mas durante a apresentação, Cerny, o principal arquiteto do console, prometeu que os tempos de instalação do patch serão bastante reduzidos. Segundo o assistente técnico, “não há necessidade de criar novos arquivos com as alterações incorporadas a eles”.

A explicação significa que as instalações de patches serão muito fáceis em comparação com o que são agora ou, como Cerny coloca, isso significa “nenhuma instalação como você as conhece hoje”.

Não apenas o SSD significa que o download de patches será mais rápido, mas o tamanho dos mesmos deverá ser, teoricamente, muito menor. Por quê? Porque haverá muito menos replicação de dados sendo usada. O SSD permitirá um streaming tão rápido no jogo que os desenvolvedores não precisarão voltar aos métodos clássicos de replicação de dados. Promessa é dívida e caso o videogame não atrase, o final de 2020 será o palco para essas constatações.