SEGA MISE
Funcionários da SEGA agradecem os 17 anos de funcionamento do local. Imagem: Imagem: Welcome to Japan.

Quem já foi a Tóquio ou gosta muito da cultura japonesa deve saber que a SEGA faz parte do legado pop do país. E mais especificamente no bairro de Akihabara, fica localizado um icônico prédio da empresa, imortalizado com frequência em filmes, livros, animes e mangás. Infelizmente, esse símbolo máximo da cultura gamer por lá, que tanto resistiu às mais variadas catástrofes citadas na ficção, não conseguiu contornar os problemas da vida real, e acaba de fechar suas portas.

Sem motivos declarados

Até o momento, a SEGA não apontou o motivo exato que a levou a fechar o Sega Akihabara Building 2, espaço ocupado pela empresa desde 2003. Contudo, vale lembrar que, com a pandemia de COVID-19, toda a região sofreu enormemente com a escassez de público. O prédio, cujos apertados fliperamas (conhecidos por lá como ‘pachinko‘) ficavam abarrotados de visitantes em tempos normais, chegou a ficar fechado durante o estado de emergência a que Tóquio foi submetida. O prédio reabriu em 12 de julho, mas já está novamente fechando, desta vez, em definitivo.

Sinal dos tempos

Contudo, mesmo com os possíveis desdobramentos do vírus que afetaram o planeta inteiro, já haviam outros sinais de que a coisa não ia bem com o negócio em si. No ano passado, a 25km dali existia o lendário Warehouse Kawasaki, outro fliperama famoso, que também fechou suas portas por lá. De acordo com relatos da mídia, o fliperama mais ‘cyberpunk’ da região fechou por conta de problemas com o locador, e segue sem planos de reabrir em outro local.

À esquerda, você também já deve ter visto essa fachada do Warehouse Kawasaki em algum anime. À direita, o ambiente mais do que cyberpunk do fliperama. Imagens: Reprodução.

Para além disso, também existe a inegável constatação de que os videogames se popularizaram o suficiente para reduzir o fliper japa basicamente à duas modalidades: as UFO Catcher (máquinas de pescar bichos de pelúcia) e as Ongaku Game (máquinas com jogos de performances musicais, controlados por instrumentos adaptados).

Imagens: Reprodução.

O dia do fim

A loja operou normalmente durante o dia todo, e ao final de seu expediente, todos os funcionários foram até a frente do estabelecimento para agradecer a presença de um aglomerado de pessoas que queria testemunhar o fechamento de um ícone gamer. Debaixo de uma placa dizendo “Obrigado pelos 17 anos”, muitos celulares se encarregaram de compartilhar o momento por ângulos variados.

Funcionários do SEGA Building 2 agradecem por tudo ao final do derradeiro expediente do local. Imagem: Welcome to Japan.

O que resta?

Embora o fechamento seja de fato triste, vale lembrar que o bairro de Akihabara ainda é a Meka gamer/otaku, dispondo de muitas outras atrações eletrônicas que continuam funcionando por toda a região, inclusive alguns fliperamas menores da SEGA, além dos Taito Game Centers. Ainda não se sabe o que vai ocupar o privilégiado espaço em questão, que fica a 2 minutos a pé da estação de Akihabara.